top of page

20 - Sobre o Desejo de Receber - 1

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash)

Registros/ Notas Sortidas

20 - Sobre o Desejo de Receber - 1




Devemos entender que, com relação a esse assunto, é explicado que o propósito da criação é que o homem chegue a um estado em que receba para doar, e que esse prazer é permitido, enquanto o prazer para si mesmo é proibido. 


Devemos entender isso, visto que no final ele desfruta disso, pois, caso contrário, não há como ele doar, uma vez que é impossível para o homem ser capaz de fazer qualquer coisa, se ele não tiver prazer no ato.


Por exemplo, se um assassino chega a uma pessoa e lhe pede que lhe dê seus bens, e ela atende seu pedido e lhe dá o que pediu, devemos dizer que a pessoa teve prazer em lhe dar seu dinheiro, caso contrário, ela não lhe daria nada. Afinal, que diferença faz se uma pessoa dá o seu dinheiro em troca de uma casa ou de uma roupa, uma vez que desfruta disso, porque com o dinheiro obtém coisas que para ela são mais importantes do que o dinheiro, quando uma pessoa precisa de uma casa, a casa é mais importante para ela do que o dinheiro; caso contrário, ela não daria o dinheiro.


É o mesmo aqui com o assassino. Preservar sua vida em troca do dinheiro é mais importante para ela agora, o que significa que ela troca um pequeno prazer por um maior. Desta forma, não existe uma única ação no mundo que uma pessoa faça a menos que receba prazer.


Portanto, quando a pessoa doa ao Criador, ela certamente gosta disso. Caso contrário, ela não doaria. Assim, qual é a diferença se uma pessoa recebe prazer da recepção ou da doação?


Acontece que, a proibição que existe na recepção é pelo motivo conhecido, que é o “pão da vergonha”. Disso, vem a correção que ela receberá a fim de doar. Nesse momento, se o seu prazer estiver em doar, ela não tem mais vergonha.


Quando uma pessoa dá um presente a seu amigo, devemos dizer que o doador gosta. Mas, se o prazer vem por doação, então não há vergonha, porque o rico não se envergonha quando dá aos pobres, embora goste.


Qual é a diferença na divisão da alma de Adam HaRishon em 600.000 almas? Em Panim Masbirot, ele traz uma alegoria sobre isso, que é como um rei que queria transferir um grande tesouro, mas tinha medo de que, se desse para uma pessoa, ela o roubasse. O que ele fez? Ele o dividiu em centavos e deu-o a muitas pessoas, por meio das quais transferiu o tesouro para um lugar diferente.


Deveríamos compreender a diferença entre uma pessoa ter um grande desejo que não consegue superar, ou um pequeno desejo que não consegue superar. Deveríamos dizer que, no final, vemos que uma pessoa pode superar uma pequena paixão, mas é difícil para ela com uma grande. Quando dizemos que ela tem sempre cinquenta por cento, é justamente depois que a alma foi dividida em partes, e por isso a árvore do conhecimento foi proibida para ela, pois ali há mais da metade e ele não teria espaço para escolha. Assim, agora cada um tem uma parte do desejo, então há espaço para escolha.


O desejo de receber é a essência do homem, e é considerada uma inovação: a “existência da ausência”. Mas, o resto das coisas, ou seja, todos os prazeres, são tirados do que existe, chamada “criação” chamada “existência a partir da existência”. No entanto, todos os tipos de preenchimentos no mundo originam-se da existência a partir da existência, o que significa que eles estão incluídos no Criador. Por outro lado, as coisas negativas, ou seja, as carências e os sofrimentos, são algo novo.


Posts recentes

Ver tudo

Carta Nº 1

Yehuda Leib HaLevi Ashlag (Baal HaSulam)/ Cartas Carta Nº1 2 de maio de 1922, Jerusalém Para meu amigo... Agora, ao meio-dia, recebi sua carta datada do dia oito do primeiro mês, e suas palavras sobre

827. A piedade fez a ocultação

827. A piedade fez a ocultação Deveríamos perguntar sobre as palavras: “Toda a terra está cheia de Sua glória”. Além disso, está escrito no Zohar: “Não há lugar vago para você”. O que isso significa?

Comments


bottom of page