top of page

Carta nº 38

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash)/Cartas

Carta nº 38/Janeiro de 1958 

          Quem é o Eu? 

Devemos explicar quem é a pessoa que dizemos que deve ser um servo do Criador e que, em troca, receberá recompensa. Afinal, o homem é composto por 248 órgãos e pela alma da vida, que sustenta todo o corpo. A pergunta é: "Quem é o operador, a mente, o coração ou a alma da vida que os sustenta? E o que é o eu, que recebeu a promessa de receber uma boa recompensa no futuro por meio de boas ações? 

O versículo diz: "E criou Deus o homem à sua imagem". O termo criação se aplica especificamente a algo novo, significando a existência de uma realidade a partir da ausência, em que o Criador criou algo novo que não existia antes de Ele criá-lo. Nossos sábios interpretaram que essa realidade é chamada de "desejo de receber prazer". Isso é uma falta e um vazio que agora deve ser preenchido. Não havia falta antes de Ele criá-lo, pois antes dessa criação havia apenas plenitude, porque não se pode dizer que o Criador contém uma falta. Portanto, essa é a única coisa que é nova, ou seja, o desejo de receber.

 

Criação do Desejo de Receber 

 

A necessidade de criar o desejo de receber se deve ao fato de que eles interpretaram que o propósito da criação era fazer o bem às Suas criações. O Criador deseja transmitir Sua bondade para deleitar as criaturas e, consequentemente, a criação deve conter um Kli ( vaso) para a recepção do prazer. É impossível receber prazer se não houver necessidade e carência dele, pois assim não sentiremos nenhum prazer. 

Isso é semelhante a uma pessoa que oferece uma boa refeição a seu amigo, mas ele não tem apetite e, portanto, não pode desfrutar da refeição, pois somente o desejo pela comida determina a medida do prazer na refeição. Por essa razão, para que as criaturas desfrutem de Suas dádivas, Ele imprimiu nas criaturas a natureza de sempre querer receber prazer. 

Esse discernimento que existe em uma pessoa, ou seja, o desejo de receber prazer, é a totalidade do homem que o Criador criou. Tudo o que falamos com relação ao homem nada mais é do que o desejo de receber. Foi dito a respeito dele que ele deve se dedicar à Torá e às Mitzvot (mandamentos) e, no futuro, lhe será concedido o prazer eterno. Ou seja, o desejo de receber prazer será recompensado, ao final de seu trabalho, com o recebimento de todo o prazer que o Criador pensou em dar a ele.

O desejo de receber recebeu órgãos para servi-lo e por meio dos quais ele deve receber prazer. Ou seja, eles lhe proporcionam prazer. Esses órgãos são as mãos, as pernas, a visão, a audição e assim por diante. Todos eles são servos, o que significa que todos eles servem ao homem. Em outras palavras, o desejo de receber é considerado o mestre, e todos os órgãos são seus servos. Ele também tem um mordomo, designado para supervisionar seus servos, monitorando e certificando-se de que todos trabalhem apenas com o propósito desejado de proporcionar prazer, pois esse é o desejo do proprietário, chamado de " desejo de receber". 

Se um dos servos estiver faltando, o prazer associado a esse servo também faltará. Assim, se uma pessoa for surda, ela não poderá desfrutar do som do canto. Se ela for anósmica (sem olfato), não poderá desfrutar da fragrância dos perfumes. 

E se lhe faltar o intelecto, que é designado para todos os servos, como o gerente de uma empresa que cuida de todos os servos, todo o negócio dará errado e poderá causar prejuízos. 

É como o proprietário de uma empresa que tem muitos funcionários, mas um gerente ruim. Em vez de lucrar, ele pode perder. Mas o proprietário permanece mesmo quando não tem gerente, como se o gerente estivesse doente e não pudesse administrar o negócio, mas o proprietário do negócio ainda estivesse vivo.

O mesmo ocorre aqui. Se uma pessoa não tem intelecto, chamada de "servo", mas o proprietário está presente, o que significa que o desejo de receber prazer não se perde por causa disso, e a aspiração de desfrutar permanece - mas não tem a capacidade de examinar - então ela pode vender um grande prazer em troca de um pequeno. Por exemplo, se esse irracional estiver desejando um doce e o lojista lhe disser: "Dê-me dez libras e eu lhe darei o doce", se ele for irracional, ele poderá lhe dar dez libras pelo doce porque não pode avaliar o preço do doce que deseja. 

Da mesma forma, ele pode causar danos, quebrar ferramentas e rasgar roupas porque acha que isso lhe dará algum tipo de prazer. Não se surpreenda com o fato de que pode haver prazer em causar danos. Conta-se que Aristóteles, o grande filósofo, queimou uma casa grande e cara porque queria comemorar seu nome, o que significa que seu nome permaneceria para a posteridade. Ele achava que, como a mansão era uma coisa valiosa, seu nome seria lembrado porque todos se lembrariam da grande mansão que Aristóteles queimou.

Assim, vemos que as pessoas também sentem prazer em prejudicar. Além disso, qualquer ação que uma pessoa irracional faça deve lhe dar prazer, e esse prazer a obriga a fazer algumas coisas mesmo que sejam ruins, já que ela não consegue avaliar se vale a pena causar um grande dano em troca de um pequeno prazer. 

De tudo o que foi dito acima, conclui-se que a essência do homem é o desejo de receber prazer, e nada mais. Ou seja, a mente também não é o corpo do homem, mas como foi dito acima.

 

 Com Respeito ao Trabalho

 

O desejo de receber, que é a essência do homem, é oposto ao do Criador, ou seja, o Criador é o doador. Para que haja equivalência de forma, o que significa que as ações do homem também serão apenas para doar - ou os prazeres que ele receberá do Criador não serão completos porque ele sentirá vergonha deles, uma vez que aquele que recebe um presente de outro tem vergonha de olhar para o seu rosto e sente tormento ao receber o prazer -, por essa razão nos foram dadas a Torá e as Mitzvot, por meio das quais adquirimos um novo poder de querer doar contentamento ao Criador. Nesse momento, ele estará apto a receber todos os prazeres do Criador sem qualquer vergonha, porque não receberá todos esses prazeres porque quer desfrutar, mas porque está fazendo a vontade do Criador ao aceitar o prazer, pois o propósito da criação era que as criaturas recebessem prazer no mundo. De fato, todo o trabalho é sobre alcançar esse grau de querer receber prazer apenas com o propósito de uma Mitzvá (mandamento/boa ação). 

Repeti as palavras que disse verbalmente para que você possa se lembrar delas, pois são as mais básicas. 

De seu amigo, que deseja tudo de bom para você e sua família, 

Baruch Shalom HaLevi Ashlag.

 

Posts recentes

Ver tudo

Carta Nº 1

Yehuda Leib HaLevi Ashlag (Baal HaSulam)/ Cartas Carta Nº1 2 de maio de 1922, Jerusalém Para meu amigo... Agora, ao meio-dia, recebi sua carta datada do dia oito do primeiro mês, e suas palavras sobre

827. A piedade fez a ocultação

827. A piedade fez a ocultação Deveríamos perguntar sobre as palavras: “Toda a terra está cheia de Sua glória”. Além disso, está escrito no Zohar: “Não há lugar vago para você”. O que isso significa?

Comments


bottom of page