top of page

Carta nº 38b

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash)/Cartas

Carta nº 38b



Quem é o eu que dizemos ser o servo do Criador e quem é o destinatário da recompensa prometida, em que, por meio de boas ações, ele será recompensado com um bom futuro? 

Todas essas coisas foram ditas apenas sobre o homem, o ápice da criação, como está escrito: "E Deus criou o homem à Sua própria imagem". Criação significa algo novo, que é a existência a partir da ausência. Esse é o desejo de receber prazer, o que significa a criação de uma deficiência que sempre anseia por satisfazer a falta com prazer. 

Para que a sensação de prazer seja totalmente completa, foi-lhe dado o trabalho na Torá e nas Mitzvot (mandamentos), por meio dos quais ele deve ser aperfeiçoado e tornar-se apto a receber o prazer sem qualquer deficiência. Ou seja, aquele que recebe prazer de outro sente tormento junto com a recepção do prazer devido à vergonha, chamada de "pão da vergonha". Ao ser aperfeiçoado com virtudes, ele terá a capacidade de receber prazer sem o sentimento de vergonha.

Segue-se que o homem é chamado de "desejo de receber prazer", e o desejo de receber prazer recebeu mãos e pernas para servi-lo, bem como o servo mais estimado, chamado "intelecto". Todos esses servos lhe trazem prazer e, se um dos servos estiver faltando, o prazer associado a esse servo estará faltando.

Se lhe faltar o servo mais estimado, ou seja, o intelecto, ele ainda sentirá prazer e dor, exceto pelo fato de que poderá trocar e, em vez de receber grande prazer, poderá receber prazeres mínimos. Ou seja, ele não pode julgar com seu intelecto o que vale mais a pena em termos de quantidade e qualidade e, portanto, pode causar danos e quebrar ferramentas. 

Até mesmo uma pessoa insana tem a intenção de receber prazer por meio de suas ações, caso contrário não faria essa coisa má, mas há uma razão que a leva a fazer essa coisa ruim. Tudo o que pensa que pode lhe trazer prazer, ela faz imediatamente, e não tem a capacidade mental de avaliar com seu intelecto se esse é um motivo real ou imaginário.

E não se pergunte como é possível obter prazer ao quebrar ou estragar. Diz-se que o filósofo Aristóteles queimou uma casa grande e cara porque queria comemorar seu nome, o que significa que seu nome permaneceria para sempre porque todos se lembrariam de seu nome por meio desse ato. Ou seja, todos se lembrariam de que Aristóteles queimou a grande mansão. 

Conclui-se que, embora tenha feito algo ruim, ele tinha um motivo. Ou seja, ele sentiu prazer em fazer a coisa ruim que fez ao comemorar seu nome. Da mesma forma, quem é insano não tem o poder da crítica, mas a essência do homem ainda existe. 

Além disso, há prazer em evitar a dor, pois isso já é um cálculo para o futuro, o que significa que ele está agindo agora para evitar o sofrimento mais tarde. Isso já pertence ao intelecto, o que significa que o intelecto o lembra de que isso é algo ruim. E como seu intelecto já é falho, ele não consegue juntar os pensamentos e, portanto, sente apenas o presente e não o passado ou o futuro. Acontece que a mente é apenas uma serva do homem, como o resto dos servos, mas a essência do homem é a falta que anseia por receber prazer, o que significa que ele sente a plenitude total no prazer.

O desejo de receber existe em todos os animais, mas somente o homem recebeu a capacidade de sentir o outro. Ou seja, ele pode compartilhar com seu amigo e simpatizar com ele, o que significa obter prazer com o prazer de seu amigo, bem como sofrer quando seu amigo sofre. 

Portanto, o homem recebeu um lugar adicional para receber prazer - fora de seu próprio corpo. Os animais se impressionam apenas consigo mesmos, e não com os outros, mas o falante também recebeu a capacidade de sentir o outro (com exceção de certos animais que receberam essa sensação por natureza, mas a sentem especificamente em relação à mesma espécie). 

Além da fala, uma pessoa de Israel recebeu um poder - a sensação de divindade. Foi com relação a isso que foi dito: "Você é chamado homem". É um poder adicional à fala, o que significa que ele pode lamentar o exílio da Shechiná (Divindade) e se alegrar com a glória do céu que aparece no mundo. Portanto, segue-se que uma pessoa de Israel recebeu outro lugar para receber prazer, além da fala. Esse é o principal prazer para o qual o mundo foi criado - receber o prazer da sensação da Divindade.

Todos os prazeres que existem no mundo vêm do Criador, já que o Criador ilumina todas essas coisas, mas por que esses prazeres são chamados de "prazeres corpóreos"? É porque uma pessoa pode desfrutá-los sem ter que incluir o Criador neles. Ou seja, mesmo que a pessoa não sinta a Divindade, quando não acredita no Criador, ela ainda pode desfrutar de todas essas coisas. 

Mas é impossível saborear o sabor da Torá e das Mitzvot sem assumir o ônus da fé. Na medida em que a luz da fé brilha para a pessoa, o prazer na Torá e nas Mitzvot aumenta para ela. É por isso que chamamos o prazer na Torá e nas Mitzvot de "prazer espiritual". 

Pode-se sentir prazer corpóreo mesmo quando não se tem nenhuma relação com a Torá e as Mitzvot, pois não se pode viver sem vitalidade, pois toda pessoa deve sentir o gosto do prazer, pois a natureza da criação é um desejo de receber prazer, pois o pensamento da criação, chamado "Seu desejo de fazer o bem às Suas criações", imprimiu nas criaturas a necessidade de desfrutar. Quando uma pessoa não vê prazer no presente ou no futuro, ela deve cometer suicídio, pois sua vinda a este mundo foi apenas para receber prazer.

E como o homem recebeu o trabalho de escolha, para rejeitar o que é ruim e escolher a Torá e as Mitzvot - pois somente no momento da escolha é possível cultivar boas qualidades que podem receber o verdadeiro bem -, foi dado um tempo de ocultação durante o trabalho. Ou seja, a pessoa não sente o gosto do prazer na Torá e nas Mitzvot, pois somente durante a ocultação há escolha. 

Nesse meio tempo, até que a pessoa seja recompensada com o sabor da vitalidade da espiritualidade, ela retira toda a sua vitalidade apenas das coisas corpóreas, cujo prazer é limitado. Mas isso é apenas uma transição até que ele venha a experimentar o sabor espiritual, portanto, deve sentir apenas o sabor das coisas corpóreas. Mas mesmo nessas coisas corpóreas é possível acostumar-se a receber prazer do Criador. 

O desejo de receber é chamado de "corpo do homem". É por isso que ele não passa por nenhuma mudança, mas permanece no estado de sempre querer receber prazer. 

Vestimenta: Qualquer coisa que passe por mudanças não é a essência do objeto, pois um objeto não passa por mudanças. Portanto, todas as coisas das quais se obtém prazer são consideradas vestimentas. Por exemplo, hoje ele está usando esta roupa e amanhã outra roupa. Há roupas com as quais se trabalha na cozinha e há roupas com as quais se serve ao rei.

Qualquer prazer é considerado como luz, e não há luz sem um Kli ( vaso), que é algo espiritual, e qualquer coisa espiritual deve ser revestida com alguma roupa corpórea, mas somente por meio da roupa é possível receber o prazer que se encontra nela. Portanto, recebemos muitas vestimentas nas quais há prazeres, como comer, beber, vestimentas reais ou simplesmente o respeito que nos é dado, ou o prazer das coisas intelectuais ou da Torá e das Mitzvot. Cada pessoa tem trajes diferentes, e nenhuma pessoa é igual à outra. Entretanto, há uma coisa em que todos são iguais: todos querem prazer.

Mudança de trajes: As mudanças em uma pessoa - que às vezes quer desfrutar da honra, às vezes apenas da luxúria e, às vezes, da Torá e das Mitzvot - ocorrem por vários motivos. Às vezes, é hereditário, o que significa que os antepassados escolheram desfrutar de certos prazeres e isso passa de geração em geração. Esse é o significado de ancestralidade, em que as boas qualidades passam do pai da família para as gerações seguintes.

Além disso, passamos por mudanças por meio de livros e autores - quando uma pessoa é impressionada pelo ambiente. Assim como a árvore suga o que está ao seu redor, e é por isso que os espinhos e outras coisas ruins ao redor da árvore são sempre cortados, o homem também é a árvore do campo - sugando o ambiente. É por isso que ele se impressiona com os autores. Ou seja, ele tem bons amigos e se acostuma a apreciar as coisas que os amigos dizem que são boas ou ruins. Ou, há o ambiente dos livros, ou seja, o que ele aprende e lê nos livros, e os livros dizem o que é bom e o que é ruim, e então a pessoa segue seus conselhos.



Posts recentes

Ver tudo

Carta Nº 1

Yehuda Leib HaLevi Ashlag (Baal HaSulam)/ Cartas Carta Nº1 2 de maio de 1922, Jerusalém Para meu amigo... Agora, ao meio-dia, recebi sua carta datada do dia oito do primeiro mês, e suas palavras sobre

827. A piedade fez a ocultação

827. A piedade fez a ocultação Deveríamos perguntar sobre as palavras: “Toda a terra está cheia de Sua glória”. Além disso, está escrito no Zohar: “Não há lugar vago para você”. O que isso significa?

Comments


bottom of page