top of page

Carta nº 6

Rabash. Carta nº 6

15 de abril de 1955, Londres

Para os alunos:

Recebi a carta de ... e é bom que ele interprete seus detalhes o máximo que puder. Quanto ao restante dos assuntos que ele me informou, espero resolver tudo em breve.

A Mishná diz: "Todos são obrigados a ver", o que significa que cada um deve ser visto no Templo, como está escrito: "Todos os seus homens serão vistos". Aquele que é considerado um homem, ou seja, um doador, deve sentir que o Criador o vê e cuida dele.

Nossos sábios disseram: "Aquele que é cego em um de seus olhos está isento de ver, como é dito: 'Verá, verá'. Quando alguém passa a ver, passa a ser visto. Quando alguém passa a ver com ambos os olhos, passa a ser visto com ambos os olhos" (Hagigá 4).

"Olhos" significam Anochi (eu) e "não terás". Anochi é considerado amor, que é considerado Chassadim (misericórdias), ou seja, fé. " Você não deve ter" é visto como uma mulher, considerada esquerda. Somente então a pessoa é recompensada com a saudação à face da Shechiná (Divindade).

"Eles não verão Minha face de mãos vazias, mas sim cada homem com um presente de acordo com sua capacidade", ou seja, na medida em que ele teve um despertar de baixo para cima, na medida da bênção do Criador, e na medida em que o Criador o iluminou durante seu trabalho para que ele pudesse perseverar durante seu trabalho. Com isso, a pessoa pode ser recompensada com a saudação à face da Shechiná.

Na Guemará (pág. 4), está escrito sobre o que está escrito na Mishná: "Exceto para o surdo, o tolo e o pequeno". No Tanya: "Quem é um tolo? Aquele que perde o que lhe foi dado". Ele está isento de ver, o que significa que não lhe pode ser concedida nenhuma vestimenta de Kedushá (santidade).

Com isso, interpretei as palavras de nossos sábios: "Rabi Yohanan disse: 'Quem é um discípulo sábio que recebe uma perda por impressão? Aquele que é meticuloso com sua roupa, para virá-la do avesso" (Shabat, 114). Precisamos entender a grandeza disso.

À nossa maneira, é simples: "Sua vestimenta" é a roupa sobre a alma, o que significa que ele é meticuloso em transformar o desejo de receber em ser a fim de doar. É uma regra que todos sejam recompensados com um despertar do alto em algum momento. Mas por que esse despertar se afasta dele? É porque a pessoa só peca se um espírito de insensatez a tiver permeado.

Isso significa que há um sábio e há um tolo. O sábio é chamado de "Criador". Um "discípulo sábio" significa que a pessoa aprendeu a qualidade do Criador - ser um doador. Um "tolo" é o oposto do Criador - aquele que deseja ser um receptor para si mesmo. Ao despertar os vasos de recepção, o despertar o abandona imediatamente.

Mas quando ele é meticuloso em virar sua vestimenta do avesso, ou seja, a fim de doar, sua perda lhe é prontamente devolvida pela impressão, o que significa que ele é recompensado com olhos de "Kedushá", com "Anochi" e "Não terás".

No entanto, devemos saber que existe uma Mitzvá (mandamento) e existe a Torá, como está escrito: "uma vela é uma Mitzvá e a luz é a Torá".

O santo Zohar explica a razão pela qual ele ofereceu uma oferta de grãos na Páscoa. O Omer era de grãos porque a lua era imperfeita, o que significa que houve circuncisão sem remoção (e somente na primeira noite foi como um despertar do alto). A circuncisão é a remoção do prepúcio, que é o abandono do desejo de receber.

Com isso, a pessoa é recompensada com uma Mitzvá, a fé, chamada de "Tefilin de mão, da mão mais fraca". Esse discernimento é chamado de "reino dos céus", considerado como uma besta na Gematria, o nome BON. Além disso, pela correção na contagem do Ômer durante as sete semanas, a pessoa é recompensada com o recebimento da Torá, que é o céu, Zeir Anpin, que é "homem" (Adão) em Gematria. Por essa razão, no oitavo dia da assembleia, foram oferecidos dois pães do grão, que é o alimento do homem.

Com isso, entenderemos a Mishná: "Em Pessach, o indivíduo é condenado pelo produto do grão, e nos oito dias da assembleia, pelo fruto da árvore". Rabi Yehuda disse, em nome de Rabi Akiva: "Por que a Torá disse: 'Traga a colheita diante de mim em Pessach, para que sua produção no campo seja abençoada'? E por que a Torá disse: 'Traga dois pães diante de mim no oitavo dia da assembleia'? É porque a assembleia é o tempo do fruto da árvore". O Criador disse: 'Traga dois pães diante de Mim para que o fruto da árvore seja abençoado'" (Rosh Hashaná, 16).

Precisamos entender a conexão entre o alimento para os animais e o produto dos campos, e a conexão entre o alimento para o homem, que é o grão, e o fruto da árvore. À nossa maneira, é simples: Ômer significa alimento para os animais, que é fé, Mitzvá, temor do céu, pois Malchut é chamada de " besta". Os dois pães são o alimento do homem, como interpretou o RASHI: "De acordo com Rabi Yehuda, a árvore que o primeiro homem comeu era trigo, pois o homem é chamado de 'árvore do campo', e a Torá é chamada de 'árvore', como está escrito: 'Ela é uma árvore da vida'. E quando recompensado com a Torá, isso é chamado de "ser condenado pela árvore no oitavo dia da assembleia".

 

Não me alonguei muito nesta carta; não tenho notícias e esperemos que tudo esteja bem.

 

Seu amigo.

 

Posts recentes

Ver tudo

CartasCarta Nº 59

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash) CartasCarta Nº 59 9 de junho, 1962, Shavuot, Antuérpia Para o meu amigo … Com relação à sua pergunta sobre as palavras dos nossos sábios: “Um filho teimoso e rebel

Carta nº 22

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash)/Cartas Carta nº 22 Manchester, 7 de julho de 1956 Para meu amigo, Li sua carta na qual você anuncia que tem momentos sombrios e momentos brilhantes. Saiba, meu ami

Comments


bottom of page