top of page

Pirkei Avot

Mishná, Pirkei Avot

 

 

Capítulo 1

 

1. Moshe recebeu a Torá no Sinai e a transmitiu a Joshua, Joshua aos anciãos, e os anciãos aos profetas, e os profetas aos homens da Grande Assembleia. Eles disseram três coisas: sejam pacientes na [administração da] justiça, criem muitos discípulos e façam uma cerca ao redor da Torá.

 

2. Shimon, o Justo, foi um dos últimos homens da grande assembleia. Ele costumava dizer: "O mundo se apoia em três coisas: a Torá, o serviço no Templo e a prática de atos de piedade".

 

3. Antígono, um homem de Socho, recebeu [a tradição oral] de Shimon, o Justo. Ele costumava dizer: "Não sejam como servos que servem ao mestre na expectativa de receber uma recompensa, mas sejam como servos que servem ao mestre sem a expectativa de receber uma recompensa, e que o temor do Céu esteja sobre vocês".

4. Yose ben Yoezer (um homem) de Zeredah e Yose ben Yohanan (um homem) de Jerusalém receberam [a tradição oral] deles [isto é, Shimon, o Justo, e Antígono]. Yose ben Yoezer costumava dizer: "Que tua casa seja uma casa de reunião para os Sábios e que te sentes na própria poeira de teus pés e bebas de tuas palavras com sede".

 

5. Yose ben Yochanan (um homem) de Jerusalém costumava dizer: Que sua casa seja bem aberta e que os pobres sejam membros de sua casa. Não converse demais com as mulheres. Eles diziam isso com relação à própria esposa, quanto mais [a regra se aplica] com relação à esposa de outro homem. A partir daí, os Sábios disseram: enquanto um homem conversar demais com mulheres, ele causará mal a si mesmo, negligenciará o estudo da Torá e, no final, herdará o gehinnom.

 

6. Joshua ben Perahiah e Nittai, o Arbelita, receberam [a tradição oral] deles.  Joshua ben Perahiah costumava dizer: "Designe para si mesmo um professor, adquira para si mesmo um companheiro e julgue todos os homens com a balança pesando a seu favor".

 

7. Nittai, o Arbelita, costumava dizer: mantenha distância de um vizinho mau, não se apegue aos malvados e não abandone a fé na retribuição [divina].

 

8. Judah ben Tabbai e Shimon ben Shetach receberam [a tradição oral] deles. Judah ben Tabbai disse: "Não faça [como juiz] o papel de um advogado; e quando os litigantes estiverem diante de você, olhe para eles como se fossem [ambos] culpados; e quando eles saírem de sua presença, olhe para eles como se fossem [ambos] inocentes, quando tiverem aceitado o julgamento".

 

9. Shimon ben Shetach costumava dizer: seja minucioso no interrogatório das testemunhas e tenha cuidado com suas palavras, para que elas não aprendam a mentir.

 

10. Shemaiah and Abtalion receberam [a tradição oral] deles. Shemaiah costumava dizer: ame o trabalho, odeie agir como superior e não tente se aproximar da autoridade governante.

 

11. Abtalion costumava dizer: Sábios, tenham cuidado com suas palavras, para que não incorram na penalidade do exílio e sejam levados para um lugar de águas ruins, e os discípulos que os seguem bebam e morram, e assim o nome do céu seja profanado.

 

12. Hillel e Shemaiah receberam [a tradição oral] deles. Hillel costumava dizer: seja um dos discípulos de Aaram, amando a paz e buscando a paz, amando a humanidade e aproximando-a da Torá.

 

13. Ele [também] costumava dizer: aquele que engrandece seu nome faz com que seu nome seja destruído; aquele que não acrescenta [ao seu conhecimento] faz com que [ele] cesse; aquele que não estuda [a Torá] merece a morte; aquele que faz uso [indigno] da coroa [do aprendizado] passará.

 

14. Ele [também] costumava dizer: Se eu não for por mim mesmo, quem será por mim? Mas se eu for para mim mesmo, o que sou? E se não for agora, quando será?

 

15. Shammai costumava dizer: faça do seu [estudo da] Torá uma prática fixa; fale pouco, mas faça muito; e receba todos os homens com um semblante agradável.

 

16. Raban Gamaliel costumava dizer: designe para você um professor, evite dúvidas e não crie o hábito de dar o dízimo por adivinhação.

 

17. Shimon, seu filho, costumava dizer: "Todos os meus dias cresci entre os sábios, e não encontrei nada melhor para uma pessoa do que o silêncio. O estudo não é a coisa mais importante, mas sim as ações; quem se entrega a muitas palavras traz consigo o pecado.

 

18. Rabban Shimon ben Gamaliel costumava dizer: "O mundo se sustenta em três coisas: Na justiça, na verdade e na paz, como foi dito: "Executai o juízo da verdade e da paz em vossas portas" (Zacarias 8:16).

 

Capítulo 2

 

1. O Rabi disse: Qual é o caminho reto que um homem deve escolher para si mesmo? Aquele que é uma honra para quem o adota, e [por causa do qual] honra [acumula] para ele de outros. E tende cuidado com um mandamento leve, como com um grave, porque não conheceis a recompensa pelo cumprimento dos mandamentos. Também considerai a perda [que pode ser sofrida pelo cumprimento] de um mandamento em relação à recompensa [acumulada] por ele, e o ganho [que pode ser obtido pelo cometimento] de uma transgressão em relação à perda [acarretada] por ela. Aplique sua mente a três coisas e você não cairá nas garras do pecado: Saiba o que há acima de você: um olho que vê, um ouvido que ouve, e todas as suas ações estão escritas em um livro.

 

2. Raban Gamaliel, filho de Rabi Judah Hanasi, disse: excelente é o estudo da Torah quando combinado com uma ocupação mundana, pois o trabalho em ambos mantém o pecado fora da mente; mas [o estudo da] Torá que não é combinado com uma ocupação mundana, no final acaba sendo negligenciado e se torna a causa do pecado. E todos os que trabalham com a comunidade devem trabalhar com eles por causa do Céu, pois o mérito de seus antepassados os sustenta (a comunidade), e a justiça deles (dos antepassados) perdura para sempre; e quanto a vocês, [Deus, nesse caso, diz] Eu lhes credito uma rica recompensa, como se vocês [mesmos] tivessem [realmente] realizado [tudo].

 

3. Seja cuidadoso [em suas relações] com as autoridades governantes, pois elas não são amigas de ninguém, a não ser por suas próprias necessidades; elas parecem amigas quando é de seu próprio interesse, mas não apoiam um homem na hora de sua aflição.

 

4. Ele costumava dizer: faça a vontade dEle como se fosse a sua vontade, para que Ele faça a sua vontade como se fosse a dEle. Deixe de lado a sua vontade em face da vontade dEle, para que Ele possa deixar de lado a vontade dos outros em prol da sua vontade. Hillel disse: não se separe da comunidade, não confie em si mesmo até o dia de sua morte, não julgue seu semelhante até que tenha chegado ao lugar dele. Não diga algo que não possa ser entendido [confiando] que, no final, será entendido. Não diga: 'quando eu tiver tempo livre, estudarei'; talvez você não tenha tempo livre.

 

5. Ele costumava dizer: Um bruto não teme o pecado, nem uma pessoa ignorante é piedosa; nem uma pessoa tímida pode aprender, nem uma pessoa impaciente pode ensinar; nem alguém que se dedica demais aos negócios se tornará sábio. Em um lugar onde não há homens, esforce-se para ser um homem.

 

6. Além disso, ele viu uma caveira flutuando na superfície da água. Ele lhe disse: "Porque você afogou os outros, eles afogaram você. E, no final, aqueles que o afogaram também serão afogados.

 

7. Ele costumava dizer: Quanto mais carne, mais vermes; quanto mais propriedades, mais ansiedade; quanto mais esposas, mais bruxaria; quanto mais escravas, mais lascívia; quanto mais escravos, mais roubo; [Mas] quanto mais Torá, mais vida; quanto mais sentar-se [na companhia de estudiosos], mais sabedoria; quanto mais conselhos, mais entendimento; quanto mais caridade, mais paz. Se alguém adquire um bom nome, ele adquiriu algo para si mesmo; se alguém adquire para si o conhecimento da Torá, ele adquiriu vida no mundo vindouro.

 

8. Rabban Yohanan ben Zakkai recebeu [a tradição oral] de Hillel e Shemaiah. Ele costumava dizer: "Se você aprendeu muito da Torá, não reivindique o crédito para si mesmo, porque você foi criado para esse propósito". Raban Yohanan ben Zakkai tinha cinco discípulos, que eram os seguintes Rabi Eliezer ben Hyrcanus, Rabi Joshua ben Hananiah, Rabi Yose, o sacerdote, Rabi Shimon ben Nethaneel e Rabi Eleazar ben Arach. Ele [Rabi Johanan] costumava listar suas virtudes excepcionais: Rabi Eliezer ben Hyrcanus é uma cisterna rebocada que não perde uma gota; Rabi Joshua ben Hananiah é feliz como a mulher que o deu à luz; Rabi Yose, o sacerdote, é um homem piedoso; Rabi Simeon ben Nethaneel é alguém que teme o pecado, e Rabi Eleazar ben Arach é como uma fonte que [sempre] reúne força. Ele [Rabi Yohanan] costumava dizer: se todos os sábios de Israel estivessem em uma balança e Rabi Eliezer ben Hyrcanus na outra balança, ele pesaria mais do que todos eles. Abba Shaul disse em seu nome: se todos os sábios de Israel estivessem em uma balança, e Rabi Eliezer ben Hyrcanus também estivesse com eles, e Rabi Eleazar ben Arach na outra balança, ele superaria todos eles.

 

9. Ele [Raban Yohanan] lhes disse: "Saiam e observem qual é o caminho certo ao qual um homem deve se apegar? Rabi Eliezer disse: um bom olho; Rabi Joshua disse: um bom companheiro; Rabi Yose disse: um bom vizinho; Rabi Shimon disse: previsão. Rabi Elazar disse: um bom coração. Ele [Rabi Yohanan] disse a eles: Prefiro as palavras de Elazar ben Arach, pois em suas palavras estão incluídas as de vocês. Ele [Raban Yohanan] lhes disse: "Saiam e observem qual é o mau caminho que o homem deve evitar? Rabi Eliezer disse: o mau-olhado; Rabi Joshua disse: o mau companheiro; Rabi Yose disse: o mau vizinho; Rabi Shimon disse: aquele que toma emprestado e não paga, pois quem toma emprestado do homem é como quem toma emprestado de Deus, bendito seja Ele, como é dito: "os malvados tomam emprestado e não pagam, mas os justos tratam com bondade e dão" (Salmos 37:21). Rabi Elazar disse: um coração mau. Ele [Rabi Yohanan] disse a eles: Prefiro as palavras de Elazar ben Arach, pois nas palavras dele estão incluídas as de vocês.

 

10. Eles [cada um] disseram três coisas: Rabi Eliezer disse: Que a honra de seu amigo lhe seja tão cara quanto a sua própria; e não se irrite facilmente; e se arrependa um dia antes de sua morte. E [ele também disse:] aqueça-se diante do fogo dos sábios, mas cuidado para não ser chamuscado por suas brasas incandescentes, pois sua mordida é a mordida de uma raposa, e seu ferrão é o ferrão de um escorpião, e seu assobio é o assobio de uma serpente, e todas as suas palavras são como brasas de fogo.

 

11. Rabi Joshua disse: o mau-olhado, a má inclinação e o ódio pela humanidade colocam a pessoa fora do mundo.

 

12. Rabi Yose disse: Deixe que a propriedade de seu próximo seja tão preciosa para você quanto a sua própria; torne-se apto a estudar a Torá, pois ela não será sua por herança; e deixe que todas as suas ações sejam para [o bem do] nome do céu.

 

13. Rabi Shimon disse: Tenha cuidado com a leitura do Shema e com a oração, e quando você orar, não faça da sua oração algo automático, mas um pedido de compaixão a Deus, pois é dito: "Porque Ele é misericordioso e compassivo, lento para a ira, abundante em bondade e que renuncia ao castigo" (Joel 2:13); e não seja perverso em sua própria estima.

 

14. Rabi Elazar disse: Seja diligente no estudo da Torá; e saiba como responder a um epicuro, e saiba para quem você trabalha, e que seu empregador é fiel, pois Ele lhe pagará a recompensa de seu trabalho.

 

15. Rabi Tarfon disse: O dia é curto, o trabalho é abundante, os trabalhadores são indolentes, a recompensa é grande e o dono da casa é insistente.

 

16. Ele [Rabi Tarfon] costumava dizer: Não é seu dever terminar o trabalho, mas você também não tem liberdade para negligenciá-lo; se você estudou muito a Torá, receberá muita recompensa. Se você estudou muito a Torá, receberá muita recompensa. Fiel é o seu empregador que lhe pagará a recompensa do seu trabalho; e saiba que a recompensa aos justos será concedida na era vindoura.


Capítulo 3

 

1. Akabyah ben Mahalalel disse: "Marque bem três coisas e você não entrará no poder do pecado: saiba de onde você vem, para onde está indo e diante de quem você está destinado a prestar contas e fazer o acerto de contas. De onde você vem? De uma gota pútrida. Para onde você está indo? Para um lugar de pó, de vermes e larvas. Diante de quem você está destinado a prestar contas e a fazer o ajuste de contas? Diante do Rei dos reis dos reis, o Santo, bendito seja.

 

2. Rabi Hanina, o vice-sumo sacerdote, disse: ore pelo bem-estar do governo, pois se não fosse pelo medo que ele inspira, todo homem engoliria seu vizinho vivo. R. Hananiah ben Teradion disse: se dois se sentam juntos e não há palavras da Torá [ditas] entre eles, então essa é uma sessão de escarnecedores, como é dito: "Nem se assentou na cadeira dos escarnecedores... [antes, o ensinamento do Senhor é o seu deleite]" (Salmos 1:1); mas se dois se sentarem juntos e houver palavras da Torá [faladas] entre eles, então a Shechinah habita entre eles, como é dito: "Então, os que temiam ao Senhor falaram uns com os outros; e o Senhor atendeu e ouviu, e um livro de memória foi escrito diante dEle, para aqueles que temiam ao Senhor e que pensavam em Seu nome" (Malaquias 3:16). Agora não tenho nenhuma [prova escriturística da presença da Shechinah], exceto [entre] duas, como [sabemos] que mesmo aquele que se senta e estuda a Torá, o Santo, bendito seja Ele, fixa sua recompensa? Como foi dito: "embora ele se sente sozinho e [medite] em silêncio, ainda assim ele recebe [uma recompensa] para si mesmo" (Lamentações 3:28).

 

3. Rabi Shimon disse: se três comeram em uma mesa e não falaram ali palavras da Torá, [é] como se tivessem comido sacrifícios [oferecidos] aos mortos, como é dito, "pois todas as mesas estão cheias de vômito imundo, quando o Onipresente está ausente" (Isaías 28:8). Mas, se três comeram em uma mesa e falaram ali palavras da Torá, [é] como se tivessem comido à mesa do Onipresente, bendito seja Ele, como é dito: "E Ele me disse: 'esta é a mesa perante o Senhor'" (Ezequiel 41:22).

 

4. Rabi Hananiah ben Hakinai disse: aquele que acorda à noite, ou anda sozinho pelo caminho e volta seu coração para assuntos ociosos, eis que esse homem é mortalmente culpado.

 

5. Rabi Nehunia ben Hakkanah disse: "Aquele que toma sobre si o jugo da Torá, eles removem dele o jugo do governo e o jugo das preocupações mundanas, e aquele que rompe o jugo da Torah, eles colocam sobre ele o jugo do governo e o jugo das preocupações mundanas".

 

6. Rabi Halafta de Kefar Hanania disse: quando dez pessoas se sentam juntas e se ocupam com a Torá, a Shechinah permanece entre elas, como é dito: "Deus está na congregação de Deus" (Salmo 82:1). Como sabemos que o mesmo acontece até mesmo com cinco? Como é dito: "Ele estabeleceu este Seu grupo na terra" (Amós 9:6). Como sabemos que o mesmo é verdade até mesmo para três? Como foi dito: "(Salmos 82:1) Como sabemos que o mesmo é verdade até mesmo para dois? Como é dito: "Então os que temem ao Senhor falaram uns com os outros, e o Senhor atentou e ouviu" (Malaquias 3:16). Como sabemos que o mesmo acontece até com um? Como foi dito: "Em todo lugar onde eu fizer menção do meu nome, virei a ti e te abençoarei" (Êxodo 20:21).

 

7. Rabi Elazar de Bartotha disse: dê a Ele o que é dEle, pois você e o que é seu são dEle; e assim está escrito em relação a Davi: "pois tudo vem de Ti, e de Tua própria mão nós te demos" (I Crônicas 29:14). Rabi Jacob disse: se alguém está estudando enquanto caminha pela estrada e interrompe seu estudo e diz: "como é bela esta árvore!" [ou] "como é bom este campo recém-arado!", as escrituras lhe imputam isso como se ele fosse mortalmente culpado.

 

8. Rabi Dostai ben Rabi Yannai disse em nome de Rabi Meir: quem quer que se esqueça de uma palavra de seu estudo, as escrituras o consideram como se ele fosse mortalmente culpado, como é dito: "Mas tomem o máximo cuidado e vigiem-se escrupulosamente, para que não se esqueçam das coisas que viram com seus próprios olhos" (Deuteronômio 4:9). Poderíamos [ter inferido que esse é o caso] mesmo quando seu estudo se mostrou [muito] difícil para ele, pois as escrituras dizem: "para que não se apaguem de sua mente enquanto você viver" (ibid.). Portanto, ele não é mortalmente culpado, a menos que deliberadamente as remova de seu coração.

 

9. Rabi Hanina ben Dosa disse: "Qualquer pessoa cujo medo do pecado precede sua sabedoria, sua sabedoria é duradoura, mas qualquer pessoa cuja sabedoria precede seu medo do pecado, sua sabedoria não é duradoura". Ele [também] costumava dizer: qualquer um cujas ações excedam sua sabedoria, sua sabedoria é duradoura, mas qualquer um cuja sabedoria exceda suas ações, sua sabedoria não é duradoura.

 

10. Ele costumava dizer: aquele que agrada aos homens, agrada a Deus. Mas aquele de quem os homens se desagradam, Deus se desagrada. Rabi Dosa ben Harkinas disse: o sono matinal, o vinho ao meio-dia, a conversa de crianças e a participação nas assembleias de ignorantes tiram o homem do mundo.

 

11. Rabi Elazar de Modiin disse: "Aquele que profana as coisas sagradas, aquele que despreza os festivais, aquele que faz com que o rosto de seu companheiro fique corado em público, aquele que anula a aliança de nosso pai Avraham, que descanse em paz, e aquele que despreza a Torá, mesmo que tenha em seu crédito [o conhecimento da] Torá e boas ações, ele não tem parte no mundo vindouro.

 

12. Rabi Ismael disse: seja complacente com um superior, submisso sob serviço compulsório, e receba todo homem com alegria.

 

13. Rabi Akiva disse: O divertimento e a frivolidade acostumam a pessoa à licenciosidade sexual; a tradição é uma barreira para a Torá; os dízimos são uma barreira para a riqueza, os votos são uma barreira para a abstinência; a barreira para a sabedoria é o silêncio.

 

14. Ele costumava dizer: Amado é o homem, pois foi criado à imagem [de Deus]. Especialmente amado é ele, porque lhe foi revelado que havia sido criado à imagem [de Deus], como é dito: "Porque à imagem de Deus fez o homem" (Gênesis 9:6). Israel é amado pelo fato de ter sido chamado de filho do Todo-Presente. Eles são especialmente amados porque lhes foi revelado que são chamados de filhos do Onipresente, como é dito: "Vós sois filhos para o Senhor vosso Deus" (Deuteronômio 14:1). Israel é amado porque um vaso precioso foi dado a eles. Eles são especialmente amados porque lhes foi revelado que o instrumento desejável, com o qual o mundo havia sido criado, foi dado a eles, como é dito: "Porque eu te dou boa instrução; não abandones a minha doutrina" (Provérbios 4:2).

 

15. Tudo é previsto, mas a liberdade de escolha é concedida, E o mundo é julgado com bondade; E tudo está de acordo com a preponderância dos trabalhos.

 

16. Ele costumava dizer: tudo é dado em penhor, e uma rede é estendida sobre todos os seres vivos; a loja está aberta e o lojista permite o crédito, mas o livro-razão está aberto e a mão escreve, e quem deseja tomar emprestado pode vir e tomar emprestado; mas os cobradores circulam regularmente todos os dias e cobram taxas do homem, com seu consentimento ou sem seu consentimento, e eles têm aquilo em que [podem] confiar [em suas reivindicações], visto que o julgamento é um julgamento justo, e tudo está preparado para o banquete.

 

17. Rabi Elazar ben Azariah disse: Onde não há Torá, não há conduta correta; onde não há conduta correta, não há Torá. Onde não há sabedoria, não há temor de Deus; onde não há temor de Deus, não há sabedoria. Onde não há entendimento, não há conhecimento; onde não há conhecimento, não há entendimento. Onde não há pão, não há Torá; onde não há Torá, não há pão. Ele costumava dizer: "Aquele cuja sabedoria excede suas ações, a que pode ser comparado? A uma árvore cujos galhos são numerosos, mas cujas raízes são poucas, de modo que, quando o vento vem, ele a arranca e a derruba, como é dito: "Ele será como um arbusto no deserto, que não sente a chegada do bem. Está posto em lugares abrasados do deserto, em terra árida e sem habitantes" (Jeremias 17:6). Mas aquele cujas ações excedem sua sabedoria, a que pode ser comparado? A uma árvore cujos ramos são poucos, mas cujas raízes são muitas, de modo que, mesmo que todos os ventos do mundo venham e soprem sobre ela, não poderão tirá-la de seu lugar, como se diz: "Será como a árvore plantada junto às águas, que lança as suas raízes pelo ribeiro. Ela não sente a chegada do calor, suas folhas estão sempre frescas. Não tem cuidado em um ano de seca; não deixa de dar frutos" (ibid., 17:8).

 

18. Rabi Eliezer Hisma disse: as leis das ofertas mistas de aves e a chave para os cálculos dos dias de menstruação são o corpo da Halakhah. O cálculo dos equinócios e a gematria são as sobremesas da sabedoria.

 

Capítulo 4

 

1. Ben Zoma disse: Quem é sábio? Aquele que aprende com todos os homens, como foi dito: "De todos os que me ensinaram, adquiri entendimento" (Salmos 119:99). Quem é poderoso? Aquele que domina sua inclinação [má], como foi dito: "Melhor é o tardio em irar-se do que o poderoso, e o que domina o seu espírito do que o que toma uma cidade" (Provérbios 16:32). Quem é rico? Aquele que se alegra com sua sorte, como foi dito: "Gozarás do fruto do teu trabalho, serás feliz e prosperarás" (Salmos 128:2). "Serás feliz" neste mundo, "e prosperarás" no mundo vindouro. Quem é aquele que é honrado? Aquele que honra seus semelhantes, como foi dito: "Porque eu honro os que me honram, mas os que me desprezam serão desonrados" (I Samuel 2:30).

 

2. Ben Azzai disse: Seja rápido no cumprimento de um mandamento menor, como no caso de um maior, e fuja da transgressão; pois um mandamento leva a outro mandamento, e a transgressão leva a outra transgressão; pois a recompensa por cumprir um mandamento é outro mandamento e a recompensa por cometer uma transgressão é uma transgressão.

 

3. Ele costumava dizer: não desprezem ninguém e não discriminem nada, pois não há homem que não tenha sua hora, e não há coisa que não tenha seu lugar.

 

4. Rabi Levitas, homem de Yavneh, disse: "Seja extremamente humilde de espírito, pois o fim do homem é o verme". Rabi Yohanan ben Berokah disse: "Quem profanar o nome do céu em segredo, será punido em público. Inconscientemente ou não, é tudo uma coisa só ao profanar o nome.

 

5. Rabi Ismael, seu filho, disse: Aquele que aprende para ensinar, é-lhe concedido estudar e ensinar; mas aquele que aprende para praticar, é-lhe concedido aprender, ensinar e praticar. Rabi Zadok disse: "Não faça deles uma coroa para exaltação própria, nem uma pá para cavar". Assim também Hillel costumava dizer: "E aquele que colocar a coroa para seu próprio uso perecerá". Assim, você aprendeu que qualquer um que obtenha benefícios mundanos das palavras da Torá retira sua vida do mundo.

 

6. Rabi Yose disse: quem quer que honre a Torá é honrado pelos outros, e quem quer que desonre a Torá é desonrado pelos outros.

 

7. Rabi Ismael, seu filho, disse: aquele que se abstém de julgar, livra-se da inimizade, do roubo e do falso juramento; mas aquele cujo coração é presunçoso ao tomar uma decisão judicial é tolo, perverso e arrogante.

 

8. Ele costumava dizer: não julgue sozinho, pois ninguém pode julgar sozinho, exceto um. E não diga "aceite minha opinião", pois eles são livres, mas você não.

 

9. Rabi Jonathan disse: "Quem cumprir a Torá em um estado de pobreza, seu fim será cumpri-la em um estado de riqueza; e quem descartar a Torá em um estado de riqueza, seu fim será descartá-la em um estado de pobreza".

 

10. Rabi Meir disse: Não se dedique muito aos negócios, mas ocupe-se com a Torá. Tenha um espírito humilde perante todos os homens. Se você negligenciou a Torá, haverá muitos que o levarão a negligenciá-la, mas se você se dedicou ao estudo da Torá, haverá muita recompensa a ser dada a você

 

11. Rabi Eliezer ben Jacob disse: aquele que cumpre um mandamento adquire para si um defensor, e aquele que comete uma transgressão adquire para si um acusador. O arrependimento e as boas ações são um escudo contra o castigo. Rabi Yochanan Hasandlar disse: toda assembleia que é pelo bem do céu, no final endurecerá; e toda assembleia que não é por causa do céu não endurecerá no final.

 

12. Rabi Elazar ben Shammua disse: deixe a honra do seu aluno ser tão cara para você quanto a sua, e a honra do seu colega como a reverência ao seu professor, e a reverência ao seu professor como a reverência do céu.

 

13. Rabi Judah disse: tenha cuidado no estudo, pois um erro no estudo conta como pecado deliberado. Rabi Shimon disse: Existem três coroas: a coroa da Torá, a coroa do sacerdócio e a coroa da realeza, mas a coroa de um bom nome substitui todas elas.

 

14. Rabi Nehorai disse: vá como um exilado [voluntário] para um lugar de Torá e não diga que ela virá depois de você, pois [são] seus colegas [estudantes] que a tornarão permanente em suas mãos e "e não se apoie em seu próprio entendimento" (Provérbios 3:5).

 

14. Rabi Nehorai disse: vá como um exilado [voluntário] para um lugar de Torá e não diga que ela virá depois de você, pois [são] seus colegas [estudantes] que a tornarão permanente em suas mãos e "e não se apoie em seu próprio entendimento" (Provérbios 3:5).

 

16. Rabi Jacob disse: "Este mundo é como um vestíbulo antes do mundo vindouro; prepare-se no vestíbulo, para que possa entrar no salão de banquetes".

 

17. Ele costumava dizer: mais preciosa é uma hora de arrependimento e boas ações neste mundo do que toda a vida do mundo vindouro; e mais preciosa é uma hora da tranquilidade do mundo vindouro do que toda a vida deste mundo.

 

18. Rabi Shimon ben Elazar disse: Não tente apaziguar seu amigo durante sua hora de raiva; nem consolá-lo na hora em que seu morto ainda jaz diante dele; nem questioná-lo na hora de seu voto; nem se esforçar para vê-lo na hora de sua desgraça.

 

19. Shmuel Hakatan disse: "Se o seu inimigo cair, não exulte; se ele tropeçar, que o seu coração não se alegre, para que o Senhor não veja isso e não se aborreça e desvie dele a sua ira" (Provérbios 24:17).

 

20. Elisha ben Abuyah disse: Aquele que aprende quando criança, a que se compara? À tinta escrita em uma folha nova. E aquele que aprende quando velho, a que se compara? À tinta escrita em uma folha de papel desgastada. Rabi Yose ben Judah, um homem de Kfar Ha-babli, disse: Aquele que aprende com os jovens, a que se compara? Àquele que come uvas verdes e bebe vinho de sua cuba; e aquele que aprende com os velhos, a que se compara? Àquele que come uvas maduras e bebe vinho velho. O rabino disse: não olhe para o vaso, mas para o que está nele: há um vaso novo cheio de vinho velho, e um vaso velho no qual não há nem mesmo vinho novo.

 

21. Rabi Elazar Ha-kappar disse: a inveja, a luxúria e [o desejo de] honra colocam o homem fora do mundo.

 

22. Ele costumava dizer: os que nasceram devem morrer, e os que morreram devem ser trazidos à vida, e os que foram trazidos à vida devem ser julgados; para que se possa saber, tornar conhecido e ter o conhecimento de que Ele é Deus, Ele é o projetista, Ele é o criador, Ele é o discernidor, Ele é o juiz, Ele é a testemunha, Ele é o reclamante, e que Ele convocará para julgamento. Bendito seja Ele, diante de Quem não há iniquidade, nem esquecimento, nem acepção de pessoas, nem aceitação de suborno, pois tudo é dEle. E saiba que tudo está de acordo com o cálculo. E não deixe que o seu impulso lhe assegure que a sepultura é um lugar de refúgio para você; pois contra a sua vontade você foi formado, contra a sua vontade você nasceu, contra a sua vontade você vive, contra a sua vontade você morrerá, e contra a sua vontade você prestará contas e fará o acerto de contas diante do Rei dos reis dos reis, o Santo, bendito seja Ele.

 

Capítulo 5

 

1. Com dez declarações o mundo foi criado. E o que isso ensina, pois certamente ele poderia ter sido criado com uma única declaração? Mas isso foi feito para punir os malvados que destroem o mundo que foi criado com dez declarações, e para dar uma boa recompensa aos justos que mantêm o mundo que foi criado com dez declarações.

 

2. [Houve] dez gerações, desde Adam até Noah, para que se soubesse qual é a Sua longanimidade; porque todas essas gerações continuaram a provocá-Lo, até que Ele trouxe sobre elas as águas do dilúvio. [Houve] dez gerações de Noah a Avraham, a fim de tornar conhecida a Sua longanimidade; pois todas essas gerações continuaram a provocá-Lo, até que Avraham veio e recebeu a recompensa de todas elas.

 

3. Avraham, nosso pai (que descanse em paz), foi provado com dez provações, e resistiu a todas elas, para que se soubesse quão grande era o amor de Avraham, nosso pai (que a paz esteja com ele).

 

4. Dez milagres foram realizados em favor de nossos antepassados no Egito e dez no mar. Dez pragas o Santo, bendito seja, trouxe sobre os egípcios no Egito e dez no mar. [Com] dez provações nossos antepassados tentaram Deus, bendito seja Ele, no deserto, como é dito: "e eles me tentaram dez vezes e não deram ouvidos à minha voz" (Números 14:22).

 

5. Dez maravilhas foram realizadas para nossos antepassados no Templo: [1] nenhuma mulher abortou por causa do odor da carne sagrada; [2] a carne sagrada nunca se tornou pútrida; [3] nenhuma mosca jamais foi vista no matadouro; [4] nenhuma emissão ocorreu ao sumo sacerdote no Dia da Expiação; [5] as chuvas não apagaram o fogo da pilha de lenha; [6] o vento não prevaleceu contra a coluna de fumaça; [7] nenhum defeito foi encontrado no ômer, nem nos dois pães, nem nos pães da proposição; [8] o povo estava apertado, mas se curvava e tinha espaço suficiente; [9] nunca uma serpente ou um escorpião fez mal a ninguém em Jerusalém; [10] e ninguém disse ao seu companheiro: O lugar está muito congestionado para que eu possa passar a noite em Jerusalém.

 

6. Dez coisas foram criadas na véspera do Shabat, no crepúsculo, e estas são as seguintes: [1] a boca da terra, [2] a boca do poço, [3] a boca do jumento, [4] o arco-íris, [5] o maná, [6] o cajado [de Moshe], [7] o shamir, [8] as letras, [9] a escrita, [10] e as tábuas. E alguns dizem: E os demônios, o túmulo de Moshe e o carneiro de Avraham, nosso pai. E alguns dizem: e as pinças, feitas com pinças.

 

7. [Há sete coisas [características] em um torrão, e sete em um homem sábio: O sábio não fala diante de alguém que é maior do que ele em sabedoria; não interrompe o discurso do seu companheiro; não se apressa em responder; pergunta o que é relevante e responde ao ponto; fala do primeiro [ponto] primeiro, e do último [ponto] por último; e, a respeito do que não ouviu, diz: Não ouvi; e reconhece a verdade. E o inverso disso [é característico] em um torrão.

 

8. Quando alguns deles dão o dízimo, e outros não o dão, sobrevém a fome da seca; alguns passam fome, e outros ficam satisfeitos. Quando todos decidem não dar o dízimo, vem a fome do tumulto e da seca; [quando, além disso, decidem] não separar a oferta de massa, vem a fome que tudo consome. A peste vem ao mundo por causa de pecados puníveis com a morte, de acordo com a Torah, mas que não foram levados ao tribunal, e por negligência da lei relativa aos frutos do ano sabático. A espada vem ao mundo pelo atraso do julgamento, pela perversão do julgamento e por causa daqueles que ensinam a Torah em desacordo com a lei aceita.

 

9. Os animais selvagens vêm ao mundo por jurarem em vão e pela profanação do Nome. O exílio vem ao mundo por causa da idolatria, dos pecados sexuais e do derramamento de sangue, e por [transgredir o mandamento do] ano da libertação da terra. A peste aumenta em quatro ocasiões: no quarto ano, no sétimo ano e no fim do sétimo ano, e no fim da Festa [dos Tabernáculos] em cada ano. No quarto ano, por causa do dízimo dos pobres, que é devido no terceiro ano. No sétimo ano, por causa do dízimo dos pobres, que é devido no sexto ano; no fim do sétimo ano, por causa do produto do sétimo ano; e no fim da Festa [dos Tabernáculos] de cada ano, por roubarem as ofertas aos pobres.

 

10. Há quatro tipos de caráter nos seres humanos: Aquele que diz: "o meu é meu, e o seu é seu": esse é um tipo comum; e alguns dizem que esse é um tipo de caráter de Sodoma. [Aquele que diz:] "o meu é seu e o seu é meu": é uma pessoa iletrada (am haaretz); [Aquele que diz:] "o meu é seu e o seu é seu" é uma pessoa piedosa. [Aquele que diz:] "o meu é meu, e o seu é meu" é uma pessoa perversa.

 

11. Há quatro tipos de temperamentos: Fácil de se irritar e fácil de ser apaziguado: seu ganho desaparece em sua perda; Difícil de se irritar e difícil de ser apaziguado: sua perda desaparece em seu ganho; Difícil de se irritar e fácil de ser apaziguado: uma pessoa piedosa; Fácil de se irritar e difícil de ser apaziguado: uma pessoa malvada.

 

12. Há quatro tipos de discípulos: Rápido para compreender e rápido para esquecer: seu ganho desaparece em sua perda; Lento para compreender e lento para esquecer: sua perda desaparece em seu ganho; Rápido para compreender e lento para esquecer: ele é um homem sábio; Lento para compreender e rápido para esquecer, essa é uma porção má.

 

13. Há quatro tipos de doadores de caridade. Aquele que deseja doar, mas que os outros não doem: seu olhar é mau para o que pertence aos outros; Aquele que deseja que os outros doem, mas que ele mesmo não doe: seu olhar é mau para o que é seu; Aquele que deseja que ele mesmo doe e que os outros doem: é um homem piedoso; Aquele que deseja que ele mesmo não doe e que os outros também não doem: é um homem perverso.

 

14. Há quatro tipos entre aqueles que frequentam a casa de estudos (bet midrash): Aquele que frequenta, mas não pratica: ele recebe uma recompensa pela frequência. Aquele que pratica, mas não frequenta: recebe uma recompensa pela prática. Aquele que frequenta e pratica: é um homem piedoso; Aquele que não frequenta nem pratica: é um homem malvado.

 

15. Há quatro tipos entre os que se sentam diante dos sábios: uma esponja, um funil, um coador e uma peneira. Uma esponja absorve tudo; um funil, entra por uma extremidade e sai pela outra; um coador, que deixa sair o vinho e retém a borra; uma peneira, que deixa sair a farinha grossa e retém a farinha fina.

 

16. Todo amor que depende de alguma coisa, [quando a] coisa cessa, [o] amor cessa; e [todo amor] que não depende de nada, nunca cessará. Qual é um exemplo de amor que depende de alguma coisa? Tal era o amor de Amnom por Tamar. E qual é um exemplo de amor que não depende de nada? Tal era o amor de David e Jonathan.

 

17. Toda controvérsia que for para o bem do Céu subsistirá; mas a que não for para o bem do Céu não subsistirá. Qual é a controvérsia que é para o bem do Céu? Tal foi a controvérsia de Hillel e Shammai. E qual é a controvérsia que não é para o bem do céu? Tal foi a controvérsia de Korah e de toda a sua congregação.

 

18. Se alguém fizer com que as multidões sejam justas, o pecado não ocorrerá por sua causa; e se alguém fizer com que as multidões pequem, elas não lhe darão a capacidade de se arrepender. Moshe foi justo e fez com que as multidões fossem justas, [portanto] a justiça das multidões está pendurada nele, como é dito: "Ele executou a justiça do Senhor e Suas decisões com Israel" (Deuteronômio 33:21). Jeroboam pecou e fez com que as multidões pecassem, [portanto] o pecado das multidões está pendurado nele, como é dito: "Pelos pecados de Jeroboam, que ele pecou, e com os quais fez Israel pecar" (I Reis 15:30).

 

19. Quem possuir estas três coisas é dos discípulos de Avraham, nosso pai; e quem possuir outras três coisas é dos discípulos de Balaam, o malvado. O bom olho, o espírito humilde e o apetite moderado são dos discípulos de  Avraham, nosso pai. Um olho mau, um espírito arrogante e um apetite sem limites são dos discípulos de Balaam, o malvado. Qual é a diferença entre os discípulos de  Avraham, nosso pai, e os discípulos de Balaam, o malvado? Os discípulos de  Avraham, nosso pai, desfrutam deste mundo e herdam o mundo vindouro, como foi dito: "Aos que me amam dotarei de bens, encherei os seus tesouros" (Provérbios 8:21). Mas os discípulos de Balaam, os ímpios, herdam Gehinnom e descem ao abismo mais profundo, como é dito: "Porque tu, ó Deus, os farás descer à cova mais profunda, a esses homicidas e aleivosos; não viverão metade dos seus dias; mas eu confio em ti" (Salmos 55:24).

 

20. Judah ben Tema disse: Seja forte como um leopardo, rápido como uma águia, veloz como uma gazela e corajoso como um leão, para fazer a vontade de seu Pai que está nos céus. Ele costumava dizer: "O arrogante se dirige para a Gehinnom, e o corado para o jardim do Éden". Que seja da vontade do Senhor, nosso Deus, que a sua cidade seja reconstruída rapidamente em nossos dias e que a nossa porção seja o estudo da sua Torá.

 

21. Ele costumava dizer: Aos cinco anos de idade, o estudo das Escrituras; aos dez, o estudo da Mishnah; aos treze, a sujeição aos mandamentos; aos quinze, o estudo do Talmud; aos dezoito, o dossel nupcial; aos vinte, a busca [do sustento]; aos trinta, o auge da força; Aos quarenta, a sabedoria; aos cinquenta, a capacidade de aconselhar; aos sessenta, a velhice; aos setenta, a plenitude dos anos; aos oitenta, a idade da "força"; aos noventa, um corpo curvado; aos cem, como se estivesse morto e completamente fora do mundo.

 

22. Ben Bag Bag disse: Virai-o, e [novamente] virai-o, pois tudo está nele. E olhe para ela; e fique grisalho e velho nela; e não se afaste dela, pois você não tem melhor porção do que ela.

 

23. Ben He He disse: A recompensa será de acordo com o trabalho.

 

Capítulo 6

 

1. Os sábios ensinaram no idioma da Mishnah. Bendito seja Aquele que os escolheu e a seus ensinamentos. Rabi Meir disse: Quem se ocupa com a Torá por causa dela merece muitas coisas; não apenas isso, mas ele vale o mundo inteiro. Ele é chamado de amigo amado; aquele que ama a Deus; aquele que ama a humanidade; aquele que alegra a Deus; aquele que alegra a humanidade. E a Torá o reveste de humildade e reverência, e o prepara para ser justo, piedoso, íntegro e confiável; ela o mantém longe do pecado e o aproxima do mérito. E as pessoas se beneficiam de seu conselho, conhecimento sólido, entendimento e força, como é dito: "Meu é o conselho e a sã sabedoria; eu sou o entendimento, minha é a força" (Provérbios 8:14). E isso lhe confere realeza, domínio e perspicácia no julgamento. A ele são revelados os segredos da Torá, e ele é feito como uma fonte que sempre flui e como um riacho que nunca cessa. E ele se torna modesto, longânimo e perdoador de insultos. E isso o engrandece e o exalta sobre todas as coisas.

 

2. Rabi Joshua ben Levi disse: todos os dias um bat kol (uma voz celestial) sai do Monte Horeb e faz uma proclamação e diz: "Ai da humanidade por seu desprezo pela Torá", pois quem não se ocupa com o estudo da Torá é chamado de nazuf (o repreendido). Como foi dito: "Como um anel de ouro no focinho de um porco é uma bela mulher desprovida de senso" (Provérbios 11:22). E diz: "E as tábuas eram obra de Deus, e a escrita era a escrita de Deus, gra

vada nas tábuas" (Êxodo 32:16). Não leia haruth ['gravado'], mas heruth ['liberdade']. Pois não há homem livre senão aquele que se ocupa com o estudo da Torah. E quem se ocupa regularmente com o estudo da Torah certamente é exaltado, como é dito: "E de Mattanah a Nahaliel; e Nahaliel a Bamoth" (Números 21:19).

 

3. Aquele que aprende com seu companheiro um capítulo, ou uma halakhah, ou um versículo, ou uma palavra, ou até mesmo uma letra, é obrigado a tratá-lo com honra; pois assim encontramos David, rei de Israel, que aprendeu com Aitofel não mais do que duas coisas, mas o chamou de seu mestre, seu guia e seu amado amigo, como é dito: "Mas foi você, um homem igual a mim, meu guia e meu amado amigo" (Salmos 55:14). Isso não é [um exemplo do argumento] "do menor para o maior" (kal vehomer)? Se David, rei de Israel, que aprendeu com Aitofel não mais do que duas coisas, ainda assim o chamou de seu mestre, seu guia e seu amado amigo; então, no caso de alguém que aprende com seu companheiro um capítulo, ou uma halakhah, ou um versículo, ou uma palavra, ou até mesmo uma letra, ainda mais ele tem a obrigação de tratá-lo com honra. E "honra" não significa nada além da Torá, como é dito: "É a honra que os sábios herdam" (Provérbios 3:35). "E os perfeitos herdarão o bem" (Provérbios 28:10), e "bem" não significa nada além da Torá, como é dito: "Pois eu lhe dou boa instrução; não abandone a minha Torá" (Provérbios 4:2).

 

4. Esse é o caminho [de uma vida] da Torá: você comerá pão com sal e beberá água racionada; dormirá no chão, sua vida será de privações e trabalhará na Torá. Se você fizer isso, "Feliz será você e isso será bom para você" (Salmos 128:2): (Salmos 128:2): "Feliz você será" neste mundo, "e será bom para você" no mundo vindouro.

 

5. Não busque a grandeza para si mesmo e não cobice a honra. Pratique mais do que aprende. Não anseie pela mesa dos reis, pois sua mesa é maior do que a mesa deles, e sua coroa é maior do que a coroa deles, e fiel é seu empregador para lhe pagar a recompensa de seu trabalho.

 

6. O aprendizado da Torá é maior do que o sacerdócio e do que a realeza, pois a realeza é adquirida em trinta etapas, e o sacerdócio em vinte e quatro, mas a Torá em quarenta e oito coisas. Pelo estudo, pela escuta atenta, pela fala adequada, por um coração compreensivo, por um coração inteligente, pelo temor, pelo medo, pela humildade, pela alegria, pela atenção aos sábios, pela troca de opiniões críticas com os amigos, pela boa argumentação com os discípulos, pelo pensamento claro, Pelo estudo das Escrituras, Pelo estudo da Mishnah, Pelo mínimo de sono, Pelo mínimo de conversa, Pelo mínimo de prazer, Pelo mínimo de frivolidade, Pelo mínimo de preocupação com assuntos mundanos, Pela longanimidade, Pela generosidade, Pela fé nos sábios, Pela aceitação do sofrimento. [O aprendizado da Torá também é adquirido por aquele] que reconhece seu lugar, que se regozija em sua porção, que faz um cerco sobre suas palavras, que não toma crédito para si mesmo, que é amado, que ama Deus, que ama [seus semelhantes] criaturas, que ama os caminhos justos, que ama a repreensão, que ama a retidão, que se mantém longe de honras, que não deixa seu coração ficar inchado por causa de seu aprendizado, que não se deleita em dar decisões legais, que compartilha o peso de um fardo com seu colega. Quem julga com a balança pesada a seu favor, quem o conduz à verdade, quem o conduz à paz, quem se compõe em seu estudo, quem pergunta e responde, quem ouve [aos outros] e [ele mesmo] acrescenta [ao seu conhecimento], quem aprende para ensinar, quem aprende para praticar, quem torna seu professor mais sábio, quem é exato no que aprendeu, e quem diz uma coisa em nome daquele que a disse. Assim vocês aprenderam: todo aquele que diz uma coisa em nome daquele que a disse, traz libertação ao mundo, como foi dito: "E Esther falou ao rei em nome de Mordecai" ( Esther 2:22).

 

7. Grande é a Torá, pois ela dá vida àqueles que a praticam, neste mundo e no mundo vindouro, como foi dito: "Porque são vida para aqueles que as encontram, e saúde para toda a sua carne" (Provérbios 4:22), e diz: "Será uma cura para o seu umbigo e medula para os seus ossos" (ibid. 3:8), e diz: "Ela é uma árvore da vida para aqueles que a agarram, e quem se apega a ela é feliz" (ibid. 3:18), e diz: "Porque são uma grinalda graciosa sobre a sua cabeça, um colar sobre a sua garganta" (ibid. 1:9), E diz: "Ela adornará sua cabeça com uma grinalda graciosa; coroará você com um diadema glorioso" (ibid. 4:9) E diz: "Em sua mão direita está a duração de dias, em sua esquerda riquezas e honra" (ibid. 3:1, E diz: "Pois elas lhe concederão duração de dias, anos de vida e paz" (ibid. 3:2).

 

8. Rabi Shimon ben Menasya disse em nome de Rabi Shimon ben Yohai: Beleza, força, riquezas, honra, sabedoria, [velhice], cabelos grisalhos e filhos são coisas que se tornam para os justos e para o mundo, como foi dito: "O cabelo grisalho é uma coroa de glória (beleza); é alcançado por meio da retidão" (Provérbios 16:31), e diz: "O ornamento do sábio é a sua riqueza" (ibid. 14:24), e diz: "A glória dos jovens é a sua força; e a beleza dos velhos é o seu cabelo grisalho" (ibid. (ibid. 20:29), e diz: "Os netos são a glória dos mais velhos, e a glória dos filhos são os pais" (ibid. 17:6), e diz: "Então a lua se envergonhará, e o sol se confundirá. Pois o Senhor dos Exércitos reinará no Monte Zion e em Jerusalém, e a honra de Deus será revelada aos seus anciãos" (Isaías 24:23). Rabi Shimon ben Menasya disse: essas sete qualidades, que os sábios listaram [como se tornando] para os justos, foram todas cumpridas em Rabi e seus filhos.

 

9. Rabi Yose ben Kisma disse: Certa vez, eu estava andando pelo caminho quando um homem me encontrou e me cumprimentou, e eu o cumprimentei. Ele me perguntou: " Rabi, de onde você é?" Eu lhe disse: "Sou de uma grande cidade de sábios e escribas". Ele me disse: " Rabi, você consideraria viver conosco em nosso lugar? Eu lhe daria mil denários de ouro, pedras preciosas e pérolas". Eu lhe disse: "Meu filho, mesmo que você me desse toda a prata e ouro, pedras preciosas e pérolas que existem no mundo, eu não moraria em lugar algum, exceto em um lugar de Torah; pois quando um homem morre, não há ouro nem prata, nem pedras preciosas nem pérolas que o acompanhem, mas somente a Torá e as boas ações, como foi dito: "Quando você andar, ela o guiará. Quando você se deitar, ela cuidará de você; e quando você acordar, ela falará com você" (Provérbios 6:22). "Quando você andar, ela o guiará" neste mundo. "Quando você se deitar, ele cuidará de você" na sepultura; "E quando você acordar, ele falará com você" no mundo vindouro. E assim está escrito no livro de Salmos de David, rei de Israel: "Prefiro o ensinamento que proclamaste a milhares de moedas de ouro e prata" (Salmos 119:72), e diz: "Minha é a prata, e meu é o ouro, diz o Senhor dos Exércitos" ((Haggai 2:8).

 

10. Cinco possessões o Santo Abençoado reservou como suas neste mundo, e são elas: A Torah, uma possessão; Céu e Terra, outra possessão; Avraham, outra possessão; Israel, outra possessão; O Templo, outra possessão. 1a) A Torá é uma possessão. De onde sabemos isso? Porque está escrito: "O Senhor me possuiu (geralmente traduzido como 'criou') no início de seu curso, na primeira de seus trabalhos da antiguidade" (Provérbios 8:22). 2a) Céu e terra, outra possessão. Avraham, outra posse; Israel, outra posse; o Templo, outra posse. 1a) A Torá é uma possessão. De onde sabemos isso? Porque está escrito: "O Senhor me possuiu (geralmente traduzido como 'criou') no início de seu curso, na primeira de suas obras da antiguidade" (Provérbios 8:22). 2a) Céu e terra, outra possessão. De onde sabemos isso? Porque é dito: "Assim diz o Senhor: O céu é o meu trono, e a terra o escabelo dos meus pés; onde poderíeis edificar-me uma casa, que lugar poderia servir-me de morada? (Isaías 66:1) E diz: "Quantas são, Senhor, as coisas que fizeste; tu as fizeste todas com sabedoria; a terra está cheia dos teus bens" (Salmos 104:24). 3a) Avraham é outra possessão. De onde sabemos isso? Porque está escrito: "E abençoou-o, dizendo: Abraham, bendito seja o Deus Altíssimo, Possuidor dos céus e da terra" (Gênesis 14:19). 4a) Israel é outra possessão. De onde sabemos isso? Porque está escrito: "Até que o teu povo passe, Senhor, até que o teu povo, que tens possuído, passe" (Êxodo 15:16). E diz: "Quanto aos santos e poderosos que estão na terra, todo o meu desejo (possessão) está neles" (Salmos 16:3). 5a) O Templo é outra possessão. De onde sabemos isso? Porque é dito: "O santuário, ó Senhor, que as tuas mãos estabeleceram" (Êxodo 15:17), e diz: "E os levou ao seu santo reino, ao monte que a sua destra possuíra" (Salmos 78:54).

 

11. O que quer que o Santo Abençoado tenha criado em Seu mundo, ele criou apenas para Sua glória, como é dito: "Todos os que estão ligados ao meu nome, que eu criei, formei e fiz para a minha glória" (Isaías 43:7), e diz: "O Senhor reinará para todo o sempre" (Êxodo 15:18).

 

Disse Rabi Hananiah ben Akashya: Foi do agrado do Santo Abençoado conceder mérito a Israel, por isso Ele lhes deu a Torá e os mandamentos em abundância, como é dito: "O Senhor se agradou de Sua justiça, de tornar a Torá grande e gloriosa" (Isaías 42:21). 


Posts recentes

Ver tudo

Carta Nº 1

Yehuda Leib HaLevi Ashlag (Baal HaSulam)/ Cartas Carta Nº1 2 de maio de 1922, Jerusalém Para meu amigo... Agora, ao meio-dia, recebi sua carta datada do dia oito do primeiro mês, e suas palavras sobre

827. A piedade fez a ocultação

827. A piedade fez a ocultação Deveríamos perguntar sobre as palavras: “Toda a terra está cheia de Sua glória”. Além disso, está escrito no Zohar: “Não há lugar vago para você”. O que isso significa?

Comments


bottom of page