top of page

Plenitude na Vida

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash) Artigos/ Registros

 Plenitude na Vida

Artigo 809

 

"Uma pessoa não morre com metade do seu desejo realizado." "Quem tem cem deseja duzentos."

A questão é: Como é a espiritualidade? Não há plenitude na vida lá também, e a pessoa sempre vive em deficiência?

A pessoa não sente falta de espiritualidade para dizer que não consegue viver sem ela, pois a falta da pessoa, o que ela sente em si mesma, é que ela deve receber prazer, e ela se enche de coisas materiais, que são alimentos abundantes no mundo, pois isto nos foi preparado pelo Criador para que, por meio delas, pudéssemos existir no mundo.

Em outras palavras, já que o desejo de fazer o bem nos impele a receber prazer, satisfazemos o desejo de prazer com prazeres corpóreos. Isso é semelhante a alimentos que não são muito caros, ou seja, não precisamos fazer grandes esforços para comprá-los.

Somente quando uma pessoa está preenchida de todos os prazeres corpóreos não tem mais nenhuma carência que não tenha sido satisfeita, e nenhuma deficiência ou anseio por corporalidade resta nela, então ela não tem vitalidade ou prazer, pois apenas a carência e o anseio dão sabor a algo. Nesse momento, ela começa a sentir que vale a pena ver se há vitalidade e prazer na espiritualidade.

Além disso, às vezes, uma causa externa retira dela a deficiência e o anseio por materialidade. Conclui-se que, então, também, ela não tem nada de onde receber prazer. Portanto, ela deve se aproximar da espiritualidade, talvez possa obter algum prazer de lá.

E essa razão, às vezes, se manifesta na forma de herança das qualidades dos ancestrais que aboliram esses prazeres - seja pela moralidade, seja pelo fato de terem provado a luz da Torá e viram que não valia a pena recorrer à deficiência e ao desejo por esses prazeres. E embora agora eles não sintam o gosto da Torá, ao receber uma iluminação temporária, eles já estão fartos dos prazeres corpóreos, e agora têm necessidade de coisas espirituais.

 

Posts recentes

Ver tudo

CartasCarta Nº 59

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash) CartasCarta Nº 59 9 de junho, 1962, Shavuot, Antuérpia Para o meu amigo … Com relação à sua pergunta sobre as palavras dos nossos sábios: “Um filho teimoso e rebel

Carta nº 22

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash)/Cartas Carta nº 22 Manchester, 7 de julho de 1956 Para meu amigo, Li sua carta na qual você anuncia que tem momentos sombrios e momentos brilhantes. Saiba, meu ami

1 Comment


Que interessante🤔Então podemos carregar qualidades de nossos ancestrais? Esses ancestrais são de que ancestralidade? Da época que eramos um com o Criador? E esses prazeres, são de lá e sentimos aqui? É por isso que conseguimos perceber a Reshimô?🧐🤓

Like
bottom of page