top of page

Por que o Shabat é chamado de Shin-Bat, no Trabalho?Artigo nº 19, 1989

Por que o Shabat é chamado de Shin-Bat, no Trabalho?Artigo nº 19, 1989



Está escrito em O Zohar (VaYakhel, Item 180): "O que é o Shabat [sábado]? Por que é chamada 'Shabat'? É porque aquele ponto ascendeu e sua luz brilha? Naquele momento, ela é coroada nos pais, que são HGT de ZA, para ser um só, e tudo é chamado de 'Shabat'. Ou seja, Malchut e os pais são chamados de "Shabat". Shabat tem as letras Shin-Bat [filha], uma vez que os três Vav [3 vezes Vav] no Shin [ש] implicam os três pais HGT, e ela, que é chamada Bat [filha], coroa neles."

Também está escrito lá (Item 181): "O significado da questão é que o ponto, onde quer que esteja, é o coração do olho. Ou seja, ela contém Chochmá, que é chamada de "olhos", e é chamada de Bat [filha], como ele disse: 'Mantenha-nos como a pupila do olho'. Como ela é o coração de todo o olho [pupila], ela é chamada de Bat. Ou seja, há três cores no olho, que são HGT. A quarta cor é um ponto preto, que é Malchut, e somente nele a Chochmá - chamado Ayin [olho] - é revelada. É por isso que é o coração de todas as cores do olho". Ali (Item 177), está escrito: "Todos esses seis dias - HGT NHY - se unem em um único ponto sagrado, que é Malchut, e todos os dias se unem nela".

Devemos interpretar isso no trabalho. O Baal HaSulam perguntou, de acordo com o que foi dito acima, que os seis dias de trabalho implicam ZA, que são HGT NHY de ZA, e o Shabat implica Malchut. Se for assim, então os seis dias da semana deveriam ter sido mais importantes do que o Shabat, já que ZA é um grau mais elevado do que Malchut.

Ele disse: "É verdade que os seis dias da semana implicam ZA, mas o mundo inteiro está sob o governo de Malchut, uma vez que Malchut é chamada de 'a assembleia de Israel', o que significa que ela contém todas as almas de Israel, e tudo o que não está em Malchut não é revelado neste mundo. No entanto, enquanto não houver unificação entre ZA e Malchut e a abundância de ZA não se estender à Malchut, será chamado de 'dia da semana'".

O Shabat é considerado uma unificação, ou seja, ZA se une à Malchut, o que significa que todas as seis Sefirot de ZA se iluminam em Malchut. É por isso que ele é chamado de "um Shabat de santidade", já que a Kedushá [santidade] de ZA se estende à Malchut. "Dia da semana" significa que eles se separaram um do outro porque Malchut, que é o Kli [vaso] que recebe a abundância para os inferiores, "a Malchut receptora", está em disparidade de forma em relação ao Doador, que é ZA. Os inferiores devem estar aptos a receber a abundância que Malchut deseja doar a eles, o que significa (estar) em equivalência de forma, trabalhar para doar.

É por isso que nos foram dados os seis dias úteis para nos corrigirmos por meio do trabalho na Torá e nas Mitzvot [mandamentos/boas ações]. Na medida em que nos engajamos na doação, nessa mesma medida, cada um corrige a raiz de sua alma acima, em Malchut, para trabalhar a fim de doar. Segue-se que, por meio dos seis dias de trabalho, Malchut é corrigida pelos inferiores, e então Malchut está em equivalência de forma com ZA, e a abundância de ZA se estende à Malchut.

Por essa razão, o Shabat é considerado Malchut e é mais importante do que os seis dias da semana, embora os seis dias impliquem ZA, que é um grau mais elevado do que Malchut. No entanto, todos os graus são medidos pelo grau em que doam aos graus inferiores. Como nos seis dias úteis eles estão no meio do trabalho de corrigir Malchut para que trabalhe a fim de doar, ZA ainda não pode doar. Somente no Shabat, quando se completa o trabalho de doação de Malchut, Shabat é considerado mais importante porque, então, o grau de ZA brilha para os inferiores por meio da correção de Malchut. É por isso que o Shabat é chamado de "o segredo do Um", que é a unificação de ZA e Malchut por meio da equivalência da forma. É por isso que ele é chamado de "Shabat da paz", o que significa que se considera que no Shabat já existe paz entre ZA, considerado o doador, e Malchut, considerada a receptora.

No Shabat, Malchut já está corrigida para trabalhar a fim de doar e não há nenhuma separação entre eles. Por essa razão, chama-se "um abençoado Shabat de paz", pois então as bênçãos se estendem a Malchut e aos inferiores. Por essa razão, o Shabat é mais importante do que os seis dias úteis.

Nossos sábios disseram (Avodá Zará 3): "O Criador disse a eles: Tolos, aquele que trabalhou na véspera do Shabat comerá no Shabat. Aquele que não trabalhou na véspera do Shabat, de onde comerá no Shabat?". Isso significa que a refeição do Shabat é considerada como uma recompensa pelo trabalho. Se uma pessoa não trabalhou, de onde ela será recompensada? Sem trabalho, é possível receber uma esmola ou um presente, mas não uma recompensa [Sachar significa tanto "recompensa" quanto "salário"], pois há recompensa especificamente em troca do trabalho. É por isso que o Criador disse a eles: "Aquele que não trabalhou na véspera do Shabat, de onde comerá no Shabat?"

No entanto, isso é realmente desconcertante. Por que o Criador disse: "Aquele que não trabalhou na véspera do Shabat, de onde comerá no Shabat"? Afinal de contas, o Criador pode lhes dar como esmola ou como presente.

A resposta é que, sem trabalho, é impossível desfrutar da refeição devido à razão conhecida de que, para não ter o pão da vergonha ao receber o prazer, foi feita uma correção, chamada "Tzimtzum [restrição] e ocultação na luz superior", e o deleite e o prazer que o Criador deseja dar às criaturas não são revelados.

Em vez disso, por meio do trabalho na Segulá [remédio/virtude] da Torá e das Mitzvot, obtemos os recipientes para doar e, nessa medida, a ocultação é removida e é possível receber o deleite e o prazer. Mas antes de obtermos os vasos de doação, é impossível desfrutar o propósito da criação, que é o deleite e o prazer. É por isso que não faz sentido dizer que o Criador deve lhe dar um presente ou uma esmola, pois certamente haverá vergonha, e essa vergonha estraga o sabor do prazer.

Como vemos na corporeidade, a pessoa tem vergonha de comer o pão da vergonha [receber esmola], mas especificamente por meio do trabalho. Aqui, o trabalho é transformar os vasos de recepção, com os quais o homem nasceu, e prover-se de vasos de doação, que são contra a natureza, e qualquer coisa que seja contra a natureza é difícil de fazer e requer grandes esforços para obter os vasos de doação. Foi dito sobre isso: "Aquele que vem para purificar é ajudado". Ou seja, sem a ajuda dEle, a pessoa não tem chance de obtê-los.

Agora podemos entender que os seis dias de trabalho constituem a questão de fazer os vasos de doação, o que diz respeito a ZA, pois o grau de ZA é doar à Malchut. Para que Malchut, que recebe a abundância de ZA, (seja capaz de) doar aos inferiores, devemos corrigir Malchut para que se torne um doador como ZA. Isso é chamado de "unificação", que significa equivalência de forma.

Por essa razão, os seis dias úteis são chamados de "dias sem santidade", devido a esse trabalho de emergir do desejo de receber para si mesmo e admiti-lo em Kedushá, o que significa que servirá à Kedushá. Ou seja, o trabalho é tornar o secular sagrado. Embora a pessoa corrija uma qualidade por dia, sendo que o primeiro dia [domingo] corresponde à qualidade de Chéssed, o segundo dia [segunda-feira] à qualidade de Guevurá, etc., cada correção não se torna aparente imediatamente.

Em vez disso, quando todos os seis dias tiverem sido corrigidos, o Shabat se torna aparente. Em outras palavras, enquanto a procissão do trabalho de sete dias não tiver sido concluída, o estado de Shabat não se torna aparente em uma pessoa. Isso faz com que ela não seja capaz de ver ou sentir se está avançando no trabalho ou se está parada no mesmo estado de quando começou o trabalho.

Às vezes, a pessoa vê o oposto - que está regredindo. Ou seja, antes de começar o trabalho de doação, ela tinha mais paixão pela Torá e pelo trabalho, e agora vê que sua motivação para o trabalho enfraqueceu. Isso acontece porque cada semana é considerada um grau. No meio do grau, é impossível ver a situação como ela realmente é, pois é como uma roda giratória, onde o que antes estava embaixo sobe para cima e o que estava em cima desce e, como resultado de tudo isso, a máquina avança.

Somente no final do trabalho, quando chega o Shabat, significa que ele completou os seis dias de trabalho que pertencem a esse Shabat. Então, considera-se que ZA, que são vasos de doação, entraram em Malchut. Isso é chamado de Shabat.

Por essa razão, embora os seis dias de trabalho pertençam a ZA, eles ainda não brilham em Malchut porque o coração do nosso trabalho está em Malchut, como está escrito: "para corrigir o mundo no reino [Malchut] de Shadai [o Senhor]".

Segue-se que o trabalho dos Kelim é expelir o desejo de receber para si mesmo e, em vez disso, instalar o desejo de doar. Isso é chamado de trabalho dos dias de semana, que é a correção dos Kelim. Esse trabalho é proibido no Shabat porque o Shabat é chamado de "o tempo de jantar", quando a luz pode brilhar dentro do Kelim. É por isso que está escrito: "Aquele que não trabalhou na véspera do Shabat", ou seja, não preparou os vasos de doação, "de onde comerá no Shabat?", já que ele não tem Kelim onde a refeição, que é o deleite e o prazer, possa se vestir.

Com isso, entenderemos o que perguntamos: "Por que Ele não pode lhes dar a refeição como um presente ou esmola? já que, com um presente ou esmola, não há vasos de doação lá, onde o deleite e o prazer podem entrar, devido ao Tzimtzum.

No entanto, descobrimos que o Shabat é chamado de "um presente", como disseram nossos sábios (Beitzá 16), "'Para saber que Eu, o Senhor, os santifico'. O Criador disse a Moisés: 'Moisés, tenho um bom presente em Meu tesouro, cujo nome é Shabat, e desejo dá-lo a Israel, vá e informe-os'".

Isso é desconcertante. Por que Ele disse: "Aquele que não trabalhou na véspera do Shabat, de onde comerá no Shabat"? No trabalho, também devemos nos perguntar: Mas Ele poderia ter lhes dado a refeição do Shabat como um presente, já que o Shabat é chamado de "um presente", o que significa que é possível dar o Shabat mesmo sem trabalho?

No entanto, devemos nos perguntar sobre o que os nossos sábios disseram, que o Criador disse a Moisés: "Vá e deixe-os saber". Devemos nos perguntar: Com que propósito Ele teve que avisá-los sobre o presente? Entendemos que se quisermos algo em troca do presente, então eles devem ser notificados para que cumpram as condições exigidas para a oferta do presente. Portanto, isso significa que aqui também, quando Ele disse: "Vá e deixe-os saber", Ele deve estar exigindo algo em troca do presente.

No entanto, precisamos entender como alguém pode pedir algo em troca de um presente, já que se o receptor do presente der algo, ele não será mais considerado um presente? Devemos interpretar que, quando Ele disse: " Vá e deixe-os saber", Ele lhes deu a entender que, como Ele queria lhes dar um presente, havia o medo de que ele fosse roubado deles. Portanto, o Doador do presente exigiu que eles preparassem um lugar seguro para o presente, onde ninguém poderia tirar esse importante presente deles. Caso contrário, o Doador do presente nem mesmo poderia notificá-los sobre a importância do presente, pois aqueles que não deveriam ouvir provavelmente ouviriam que o presente é importante e poderiam tirá-lo deles.

Portanto, para que Ele pudesse lhes dar o presente, primeiro precisou informá-los de que queria lhes dar um presente, como está escrito: "Vá e deixe-os saber", "e eu os avisarei da importância do presente para que possam desfrutar do presente". Em seguida, Ele os informou que deveriam fazer muitos preparativos para a dádiva, para que ela fosse mantida longe dos externos, para preparar um lugar para a dádiva. Conclui-se que a condição que Ele estabeleceu para lhes dar o presente foi que eles preparassem um lugar seguro para o presente. Isso não é considerado como dar um presente em troca da preparação.

O que está sendo guardado das coisas externas? É que se eles prepararem vasos de doação, nesses vasos eles desejarão receber o Shabat, que é chamado de "um presente". Isso é chamado de "manter-se afastado dos externos", cujo controle total está nos vasos de recepção. Não é assim com os vasos de doação; desses eles fogem. Esse trabalho de preparação dos Kelim é chamado de "dias da semana", em que, a cada dia, devemos admitir os Kelim implícitos nas Sefirot de ZA, que são chamadas de HGT NHY.

Quando o trabalho de doação termina, chega a luz do Shabat, que é chamada de "uma refeição", e veste os Kelim que foram adquiridos durante os seis dias de trabalho. Segue-se que toda a revelação do trabalho é aparente no Shabat, que é chamado de "o significado do Um", quando Malchut, chamada de "vasos de recepção", foi transformada em doação durante o trabalho dos seis dias de trabalho.

Ou seja, o trabalho dos vasos de doação que adquiriram durante os dias da semana entra no Shabat. Isso significa que o fato de o Shabat ser chamado de "Malchut que brilha em Gadlut [grandeza/adulto]" se deve ao trabalho preparatório anterior ao recebimento da dádiva. Nesse momento, a luz do Shabat, que é chamada de "um presente", pode se revestir nesses vasos de doação. Então, os externos não têm controle porque os vasos de recepção, aos quais os externos se agarram, estão ausentes. Por isso, o Shabat é chamado de "E todos os julgamentos passam dela".

É por isso que um presente é chamado de Shabat, pois o Criador não deu o Shabat em troca de trabalho, mas deu o Shabat como um presente. E a razão pela qual precisamos trabalhar durante os seis dias úteis é para criar um lugar para ela, ou seja, um lugar seguro onde os externos não possam segurá-la, já que no Shabat os vasos de doação já foram corrigidos e eles fogem de um lugar onde veem que os vasos de doação governam.

Por essa razão, o Shabat é chamado de "sagrado", pois os externos fogem da Kedushá do Shabat, quando tudo brilha nos vasos de doação devido à preparação durante os seis dias úteis.

De acordo com o exposto acima, devemos interpretar o que está escrito: "Moisés se alegrará com o presente de sua parte". Devemos entender por que está escrito: "Aquele que odeia presentes viverá" (Provérbios 15:27). Se for assim, então qual é o significado de "Moisés se alegrará com a oferta de sua parte", se "Aquele que odeia presentes viverá"?

A resposta é: "Porque o Senhor o chamou de servo fiel". O que é "um servo fiel"? É como nossos sábios disseram: "Sejam como escravos servindo ao rav [grande mestre] não para receber recompensa", o que significa que todo o trabalho de alguém é apenas para doar e não para receber nada.

Portanto, o fato de ele receber é porque o Criador quer lhe dar. Portanto, sua recepção é chamada de "receber para doar". Segue-se que o presente que ele está recebendo não é porque ele quer receber para si mesmo, mas porque ele quer doar. Como a vontade do Criador é fazer o bem, ele, portanto, aceita o deleite e o prazer para satisfazer o desejo do Criador, uma vez que ele quer deleitar o Criador.

Mas do que o Criador precisa? Certamente, é para que o propósito da criação seja cumprido em sua totalidade. Portanto, ele aceita o presente do Rei para agradar ao Rei. Esse é o significado das palavras: "Pois você o chamou de servo fiel".

Agora podemos interpretar as palavras de O Zohar, que pergunta: "O que é o Shabat?" e responde: "Shin-Bat, já que os três Vav no Shin implicam os três pais, HGT, e Malchut, chamada Bat [filha], coroa neles", já que nela está a maior parte da Chochmá, como está escrito: "Mantenha-nos como a pupila do olho", que é o coração do olho. Há três cores no olho, que são HGT, e a quarta cor é um ponto preto, que é Malchut.

Nos três Vav, cada Vav implica os seis dias úteis, que é o tempo de trabalho, quando uma pessoa deve prover para si mesma vasos de doação. De fato, todos os dias, a pessoa deve andar em três linhas, implicadas pelos três Vav no Shin.

Em outras palavras, ao caminharmos à direita e à esquerda todos os dias, chegamos à linha do meio, que consiste em ambas. Em outras palavras, começamos a caminhar pela direita, chamada de "o estado de plenitude", e depois passamos para a contagem, quando ele começa a contar o lucro que obteve com o trabalho. Depois disso, ele retorna à direita.

Por meio desse giro da esquerda e da direita, chegamos à linha do meio, que nasce das duas linhas. Então, por meio do trabalho dos três Vav, chegamos ao estado do Shabat, onde o Shabat é chamado de "o ponto de Malchut", que é preto, e é chamado de "um ponto preto", já que o Tzimtzum estava em Malchut, que é chamado de "o Kli receptor". Por essa razão, a luz não brilha em seu próprio ser. No entanto, por meio da correção dos três Vav, que é o trabalho nos seis dias de trabalho em suas três linhas, ela pode receber a luz que pertence à sua essência, que é a luz de Chochmá. Ela é chamada de Bat-Ayin ["pupila", mas também "filha do olho"], onde Ayin [olho] é chamado de Chochmá, e no ponto preto, a luz de Chochmá é revelada. Esse é o Shabat, onde, por meio dos dias de trabalho, o Shabat aparece.



Posts recentes

Ver tudo

Paixão pelo conhecimento

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash) Artigos/ Registros Paixão pelo conhecimento Artigo 145 A paixão pelo conhecimento chega a quem age para saber, que se esforçam e se aprofundam o máximo que podem.

Carta nº 6

Rabash. Carta nº 6 15 de abril de 1955, Londres Para os alunos: Recebi a carta de ... e é bom que ele interprete seus detalhes o máximo que puder. Quanto ao restante dos assuntos que ele me informou,

Plenitude na Vida

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash) Artigos/ Registros Plenitude na Vida Artigo 809 "Uma pessoa não morre com metade do seu desejo realizado." "Quem tem cem deseja duzentos." A questão é: Como é a es

Comments


bottom of page