top of page

Quais são os dois discernimentos antes de Lishmá?

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash)/Artigos

 Quais são os dois discernimentos antes de Lishmá?

Artigo nº 11, 1988

 

O Zohar, Êxodo, pergunta sobre o versículo: "Estes são os nomes dos filhos de Israel que estão indo para o Egito com Jacó; eles vieram cada um com sua família". Por que começa com Israel e termina com Jacó? Ele explica isso em relação aos graus superiores. Devemos entender o significado dos dois graus também durante o período de preparação, antes de uma pessoa ser recompensada com Lishmá [por causa dela]: "Israel" implica totalidade, uma vez que Israel é Li-Rosh [um Rosh (cabeça) para mim], e Jacó é um grau menor.

A ordem é que uma pessoa começa o trabalho do Criador em Lo Lishmá [não por causa dela]. Naquele momento, o trabalho que ela faz é na prática, ou seja, sem a intenção, que deveria ser doar. Portanto, na prática, a pessoa vê que está fazendo um bom progresso e, a cada dia, suas posses de Torá e de Mitzvot [mandamentos/boas ações] aumentam. A pessoa sente que está em um estado de subida, pois vê que está subindo de grau, ou seja, vê que está acumulando mais a cada vez.

Nesse estado, ela recebe vitalidade em seu trabalho da Luz Circundante, que brilha para todos, ou seja, a luz que brilha para todo o Israel, como é explicado (em O Estudo das Dez Sefirot, Parte 1) que a Luz Circundante brilha até mesmo para os vasos de recepção. Por outro lado, a Luz Interior brilha especificamente para os vasos de doação, já que a primeira restrição, que foi sobre Bechiná Dalet [Fase 4], de não receber luz dentro dela, fez com que a luz se afastasse do Kli [vaso], pois a luz estava brilhando no interior.

Com relação à Luz Circundante, é explicado no Panim Masbirot que "A quarta é a própria Luz Circundante, já que agora Ein Sof [infinito/sem fim] ilumina a doação a partir de seu lugar distante do lugar. Ou seja, como o ponto de desejo de Bechiná Dalet foi diminuído e não continha desejo de receber, ela perdeu seu vaso de recepção e não pôde receber dentro de si a luz de Ein Sof como antes, e o ponto médio foi removido da luz. Por essa razão, chamamos isso de "Remoção do lugar para Ein Sof".

Isso significa que a luz de Ein Sof brilha como circundante mesmo em lugares onde o Kli ainda não está apto a receber para doar. Em vez disso, isso é chamado de "iluminação restrita". Por outro lado, a Luz Interior brilha como uma doação abundante, conforme explicado ali.

Por essa razão, no estado de Lo Lishmá, a pessoa sente que é considerada Israel. Mas quando a pessoa quer começar o trabalho de doação, ou seja, ter Kelim para receber a Luz Interior, quando ela quer emergir do amor-próprio, então ela entra no exílio no Egito. Ou seja, então a pessoa vê como está distante do Dvekut [adesão] com o Criador na equivalência da forma. Em vez disso, seja na mente ou no coração, a Klipá [concha/casca] do Egito governa.

Nesse estado, a pessoa vê que está longe de ser Israel. Em vez disso, ela está em um estado de Jacó, um estado de Katnut [pequenez/infância] das palavras Akev [calcanhar] e Sof [fim]. Em outras palavras, ela está em total baixeza, vendo que a cada dia está mais distante do Criador e não tem controle sobre a Kedushá [santidade].

Isso é chamado de "exílio no Egito". Esse é o significado de o Faraó vir até uma pessoa e perguntar: "Quem é o Senhor para que eu obedeça à Sua voz?" Ou seja, toda vez que os pensamentos do Faraó vêm e lhe fazem essa pergunta, a pessoa tem apenas um conselho: clamar ao Criador para ajudá-la a se livrar desses pensamentos, que são uma ocultação que esconde a fé no Criador. Isso também é chamado de Metzar-Mi [estreito/distante-quem], quando Mitzraim [Egito] pergunta: "Quem é o Senhor para que eu obedeça à Sua voz?" Esse é o Metzar-Yam [mar estreito].

Nesse estado, ele está sempre em dúvida. Esse é o significado das palavras "que estão vindo para o Egito", que significa Metzar-Koh [estreito/estressante-Criador]. "Com Jacó" significa que eles chegaram ao grau de Akev [calcanhar], o Sof [fim] e a conclusão da Kedushá [santidade/santidade], que eles sentiram no Koh [Criador] quando tiveram que tomar sobre si o reino dos céus. Eles se arrependeram de não ter sido capazes de fazer isso por causa das perguntas do Faraó, rei do Egito, que os governou com as perguntas "quem" e "o quê", que são consideradas como "mente" e "coração", significando "Quem é o Senhor para que eu obedeça à Sua voz" e "Que trabalho é esse para você?"

Esse é o significado das palavras: "Do lugar estreito, clamei a Deus [o Senhor]". A oração é porque eles sofrem problemas com os Egípcios, como está escrito: "E eles clamaram ao Senhor em sua angústia; Ele os salvará de suas aflições". É sabido que Tzar [estreito/estressante] significa estreito em Chassadim [misericórdias]. Ou seja, eles não podiam se envolver em doação. Em outras palavras, quando quiseram tomar para si o reino dos céus - chamado Koh -a fim de doar, sentiram-se estreitos [também problemas], que não podiam fazer nada em Chéssed [misericórdia].

A diferença entre doar e trabalhar para receber é grande. Quando queremos usar os vasos de recepção, podemos obter prazer e satisfação do fato de que faíscas de luz foram colocadas nas Klipot [conchas/cascas], chamadas de "vasos de recepção", desde o início, para que o mundo existisse. Por essa razão, quando uma pessoa quer usar os vasos de recepção, ela tem um lugar a partir do qual os prazeres chamados de "luz fina" se estendem e brilham no mundo para que ele possa existir.

Mas quando uma pessoa não quer usar os vasos de recepção, mas não obteve os vasos de doação, ela está em um estado desconfortável. Ela ainda não tem o lugar de onde extrair deleite e prazer. Portanto, quando ela quer trabalhar na doação e receber deleite e prazer em vasos de doação, uma vez que ainda não tem vasos de doação, quando sente o exílio, ela clama: "Do lugar estreito, clamei a Koh [o Senhor]; responda-me na ampla extensão, Koh". "Largo" significa expansivo em Chassadim, quando o Criador o ajuda com a qualidade de Chassadim, ou seja, lhe dá vasos de doação.

Isso é considerado como sair do exílio no Egito e entrar na redenção, pois agora a pessoa pode trabalhar para doar porque já sente a importância da grandeza do Criador, uma vez que tem vasos de doação, chamados de "equivalência de forma". Isso ocorre porque quando o Criador lhe dá a expansão dos vasos de doação, o Tzimtzum [restrição] e a ocultação são removidos dela, que ela tinha por meio do poder de controle da Klipá do Egito com suas questões e dominações. Agora, no entanto, ela recebe o reino dos céus não como algo "estreito", como antes, mas de forma "expansiva". Esse é o significado de "Responda-me na amplidão, Koh". Nesse momento, considera-se que ela foi recompensada com o trabalho Lishmá.

Portanto, devemos fazer dois discernimentos no trabalho antes mesmo de alcançarmos Lishmá. O primeiro é Israel, quando sente que tem plenitude, como em Li-Rosh [uma cabeça para mim]. Isso se aplica ao trabalho do público em geral, momento em que a pessoa recebe o ambiente geral, que brilha de longe. Ou seja, mesmo quando a pessoa ainda está distante do Criador, o que significa que ela ainda está imersa em seu desejo de receber para si mesma, mesmo nesse Lo Lishmá há prazeres que se misturam ao seu trabalho. São prazeres que ela recebe de outras pessoas que a respeitam e honram, etc., que ela recebe das pessoas porque elas sabem que ela está trabalhando para o Criador. Aqui ela recebe o prazer da "luz fina", que é dada aos prazeres corpóreos, geralmente chamados de "inveja", "luxúria" e "honra".

Por causa disso, eles se sentem completos, como Israel.

O segundo discernimento é quando a pessoa começa a entrar no trabalho de Lishmá. Nesse momento, ela começa a descer ao exílio no Egito, e o corpo começa a trair a pessoa e não a deixa fazer esse trabalho, fazendo todos os tipos de perguntas que não podem ser respondidas dentro da razão, enquanto, acima da razão, a pessoa nem sempre consegue superá-la. Nesse momento, ela começa a sentir subidas e descidas porque, a cada vez, lhe é mostrado de cima o que é o trabalho de doação e não para seu próprio bem. Embora cada pessoa entenda isso, quando vem do alto, quando lhe é dado o entendimento, ela passa a sentir isso. É nesse momento que o trabalho com "argamassa e tijolos" começa, quando eles sentem as dificuldades da escravidão do exílio.

De acordo com o que foi dito acima, devemos interpretar "E o Rei do Egito morreu". Isso se refere ao trabalho para seu próprio bem, chamado de "Klipá do Rei do Egito". Eles pararam de trabalhar para ele, o que significa que sentiram que trabalhar para si mesmos, chamado de "o controle do Rei do Egito", é considerado como morte. Em vez disso, eles se encarregaram de trabalhar em prol do Criador, mas não tinham poder para trabalhar porque o Rei do Egito os governava.

Portanto, eles não querem trabalhar para seu próprio bem, mas não podem trabalhar para o bem do Criador. Esse é o significado do versículo: "E os filhos de Israel suspiraram por causa do trabalho, e clamaram, e o seu clamor subiu a Deus por causa do trabalho". Ou seja, qual é o significado de "e clamaram"? É o fato de que "o seu clamor se levantou" se referia a "Deus por causa do trabalho". Ou seja, o fato de que eles queriam que seu trabalho fosse para o bem de Deus e não para o bem deles mesmos, mas não podiam fazer o trabalho, esse era o clamor deles.

Sabe-se que não há luz sem um Kli. Em outras palavras, é impossível dar algo a alguém à força, pois é sabido que não há coerção na espiritualidade. Portanto, quando uma pessoa se arrepende e sofre com a dor e o sofrimento por não ser capaz de sair do amor-próprio e trabalhar apenas para o bem do Criador, ela clama ao Criador para que o ajude e lhe dê o que deseja. Isto é, se o Criador lhe der isso: a capacidade de revogar sua própria autoridade e anular-se diante da autoridade do Criador, pois ela quer que apenas a autoridade singular esteja no mundo, ou seja, a autoridade do Criador; essa é sua única salvação. Isso significa que ela tem um Kli e precisa da ajuda do Criador.

Esse é o significado das palavras: "E Deus ouviu o gemido deles". Ou seja, uma vez que eles tinham um Kli, que é o desejo e a necessidade de ter a capacidade de trabalhar em prol do Criador, então chegou o momento em que "Deus ouviu o gemido deles", o que significa que então a redenção começou - libertando-os das aflições do Egito.

No entanto, sabe-se que devemos andar em duas linhas, ou seja, na linha direita também. Isso significa que a pessoa deve agradecer ao Criador por permitir que ela veja o que lhe estava faltando. Em outras palavras, o fato de que seu sofrimento é por estar distante do amor do Criador, que esses são seus problemas e dores, enquanto outras pessoas, o Criador não lhes dá esse sofrimento, mas seus problemas e sofrimentos são por serem incapazes de satisfazer suas necessidades corporais, que pertencem ao amor-próprio, o que significa que elas são como animais e não têm ideia de nada além da percepção de si mesmas. Por isso, estavam felizes e gratas ao Criador.

Entretanto, esse é um trabalho árduo, pois a linha esquerda cancela a linha direita. Portanto, sempre há um novo trabalho para reconstruí-la. Esse é o significado das palavras: "E eles amarguraram suas vidas com trabalho árduo, com argamassa e com tijolos". Seu trabalho foi com Homer [argamassa], ou seja, na linha esquerda, quando viram a gravidade de sua situação, o quanto estavam distantes do amor do Criador. Depois disso, o trabalho na linha direita é estar em alegria porque o Criador lhes mostrou a verdade sobre o estado em que se encontravam. Isso é chamado de Levenim [tijolos].

 

Posts recentes

Ver tudo

Paixão pelo conhecimento

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash) Artigos/ Registros Paixão pelo conhecimento Artigo 145 A paixão pelo conhecimento chega a quem age para saber, que se esforçam e se aprofundam o máximo que podem.

Carta nº 6

Rabash. Carta nº 6 15 de abril de 1955, Londres Para os alunos: Recebi a carta de ... e é bom que ele interprete seus detalhes o máximo que puder. Quanto ao restante dos assuntos que ele me informou,

Plenitude na Vida

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash) Artigos/ Registros Plenitude na Vida Artigo 809 "Uma pessoa não morre com metade do seu desejo realizado." "Quem tem cem deseja duzentos." A questão é: Como é a es

Kommentare


bottom of page