top of page

Qual a diferença entre um campo e um homem do campo, no trabalho?


Artigo nº 6, 1988 - Está escrito em O Zohar (Toldot):

"'E Isaque amava Esaú porque tinha caça em sua boca'. Ele escreveu aqui: 'um caçador habilidoso, um homem do campo', e está escrito lá: 'Ele era um caçador poderoso'. Como lá, isso significa que ele estava caçando os pensamentos das pessoas e enganando-as para que se rebelassem contra o Criador, então aqui, "homem do campo" significa roubar as pessoas e matá-las. Ele é um homem do campo porque sua herança não está em um lugar habitado, mas em um lugar desolado, no deserto, no campo. Por essa razão, ele é chamado de 'um homem do campo'".

Com relação a Isaque, também vemos que está escrito "campo", como está escrito (Gênesis 24:63): "E saiu Isaque a vaguear pelo campo". Além disso, está escrito sobre Jacó: "E ele disse: 'Eis que o cheiro de meu filho é como o cheiro de um campo que o Senhor abençoou'".

Devemos entender a diferença entre os campos, onde foi dito sobre Esaú, que é chamado de "um homem do campo", que O Zohar interpreta como "roubar pessoas e matá-las", enquanto em relação a Isaque está escrito "vagar pelo campo", o que é ótimo, pois nossos sábios disseram que Isaque estabeleceu a oração da tarde por causa do versículo "E Isaque saiu para vagar pelo campo". Também devemos entender por que está escrito sobre Jacó que Isaque disse: "O cheiro do meu filho é como o cheiro de um campo que o Senhor abençoou". Portanto, devemos entender as diferenças entre "um homem do campo", "vagar pelo campo" e "o cheiro de um campo".

Sabe-se que Malchut é chamada de "campo". Como Malchut tem muitas mudanças por causa do Tzimtzum [restrição], Malchut tem muitos nomes, um dos quais é "campo". Quando falamos de Malchut, a regra é que falamos da Malchut de Ohr Yashar [Luz Direta], onde ela estava usando o desejo de receber para si mesma. A esse respeito, não há mudanças nela, mas é como o Emanador criou o desejo de receber a fim de receber o deleite e o prazer que Ele desejava transmitir às criaturas. Isso é chamado de Malchut com relação ao Ohr Yashar nela.

Por essa razão, essa Malchut é chamada de Ein Sof [infinito/sem fim], pois Malchut não colocou um ponto final na luz superior, o que significa que ela não disse: "Não mais!" Eu não quero receber com o meu eu, chamado de "receber para receber". Enquanto ela estava recebendo com o seu eu, não houve mudanças, e é por isso que o nome é: "Tudo era uma luz".

Entretanto, depois disso, Malchut desejou a equivalência da forma, chamada de "decoração", no ponto de desejo. Ou seja, ela não queria receber para receber, mas para doar. A esse respeito, podemos chamar Malchut pelo nome de "campo", o que significa que o campo deve ser arado, e arar significa inverter o que está embaixo e colocá-lo em cima, e o que está em cima, nós colocamos embaixo.

Da mesma forma, aqui em Malchut, que é chamada de "campo", para o desejo de receber, a recepção é importante e é considerada "de importância superior", enquanto as questões de doar são de importância inferior. Em Kedushá [santidade], há a questão do arado, que devemos cultivar a terra, ou seja, fazer com que o desejo de receber, que está no topo, fique embaixo, e o desejo de doar fique em cima. Somente assim poderemos produzir colheitas que sejam boas para comer. Caso contrário, não teremos como comer alimentos de Kedushá, como está escrito (Provérbios 14:4): "Muita colheita vem pela força do boi". Ou seja, a força do boi produz muita colheita.

O significado de "boi" é como nossos sábios disseram: "Malchut [reino] do céu deve ser como um boi para o fardo e como um burro para a carga". O Baal HaSulam disse que "um boi para o fardo" significa que o fardo da fé deve ser como colocar o jugo no boi para arar o campo, sem considerar sua vontade, se estiver de acordo com ela. Em vez disso, colocamos o jugo sobre ele contra sua vontade. Da mesma forma, o homem deve tomar sobre si o fardo do reino dos céus, já que um boi significa conhecimento, como está escrito: "O boi conhece o seu senhor". Por essa razão, a fé é considerada um fardo para aquele que precisa de conhecimento.

Portanto, segue-se que um campo é Malchut com relação à percepção de si mesmo, o que requer arado, que é a correção do campo para transformar o vaso de recepção, que é de alta importância, e torná-lo de baixa importância, enquanto os vasos de doação, que são de baixa importância, elevam-nos de modo a serem de alta importância.

Sabe-se que o desejo de receber está na mente e no coração, e ambos requerem correção. Na mente, a correção é a fé acima da razão. No coração, a correção é que todo prazer que ele recebe é para doar. E, mais precisamente, todo ato que ele fizer será para doar; caso contrário, ele não fará um único movimento.

Dessa forma, podemos interpretar por que está escrito sobre Esaú, "um homem do campo", o que significa que, enquanto ele está em um estado de "campo" e deve assumir o fardo do reino dos céus como um boi para o fardo, ele pensa que está completo e não precisa de nenhuma correção. Isso é chamado de "porque tinha caça em sua boca". É assim que está escrito em O Zohar (acima): "E Esaú disse que estava no campo para orar, e ele caçou e enganou Isaque com sua boca".

No trabalho, devemos interpretar que "ele tinha caça em sua boca" significa que sua boca e seu coração não eram os mesmos. Sua boca é a exterioridade, o que significa que, nas ações, ele era justo, porque não há nada a acrescentar às ações, mas em seu coração, ou seja, a intenção, ele não era como o ato. O ato que é aparente para as pessoas implica que ele quer observar os mandamentos do Criador a fim de agradá-Lo, fazendo Sua vontade ao observar as Mitzvot [mandamentos/boas ações]. Mas, em seu coração, ele pensa apenas em seu próprio benefício e não no benefício do Criador. Portanto, sua boca e seu coração não são os mesmos.

Portanto, em ação, Esaú parecia completo, como uma pessoa completa. Esse é o significado de "Esaú era um homem do campo", ou seja, ele não tinha mais trabalho a fazer no campo, já que o trabalho do campo começa com o arado, que consiste em inverter os vasos de recepção. Isso não é para ele, porque é suficiente para ele manter tudo na exterioridade, que é chamada de "sua boca", o que significa que sua boca e seu coração não são os mesmos. É por isso que Esaú é chamado de "um homem do campo", o que significa que um campo é receber para si mesmo, e nisso ele está completo e não tem mais nada a acrescentar.

Não é assim com Isaque e Jacó. Para eles, o trabalho do campo era o trabalho e a oração no campo, como está escrito sobre Isaque: "E Isaque saiu para vagar pelo campo", que é a oração. É como disseram nossos sábios, que Isaque estabeleceu a oração da tarde, quando orou para levantar a Shechiná [Divindade] do pó, o que significa que o vaso de doação, que deve estar no reino dos céus em mente e coração, estará em condições de doar.

Entretanto, Esaú, que era um homem do campo, não corrigiu nada para trabalhar a fim de doar. Em vez disso, com ele, tudo era apenas para o seu próprio bem. É por isso que O Zohar interpretou "'um homem do campo', para roubar e matar pessoas". O Zohar também interpreta "um homem do campo", pois sua herança não está em um lugar habitado, mas em um lugar desolado, no deserto, no campo. É por isso que ele é chamado de "um homem do campo".

Quando alguém trabalha apenas para si mesmo, esse estado é considerado um roubo do aspecto do homem que está nele, ou seja, o aspecto de "Você é chamado de 'homem', e as nações do mundo não são chamadas de 'homem'". Esse aspecto lhe é roubado quando ele trabalha para seu próprio benefício.

 

Pior ainda, como a transgressão induz à transgressão, ele mata o homem quando trabalha para si mesmo. Esse é o significado das palavras de O Zohar, "E para matá-los". O Zohar diz: "Porque sua herança não está em um lugar habitado", onde "um lugar habitado" é onde as pessoas moram, como em "Vocês são chamados de 'homens'", "mas em um lugar desolado", o lugar da quebra dos vasos, pois como o desejo de receber para si mesmo foi revelado lá, o mundo se tornou desolado.

 

No entanto, está escrito sobre Jacó: "E ele disse: 'Eis que o perfume de meu filho é como o perfume de um campo que o Senhor abençoou'", pois Jacó estabeleceu a oração da noite, como está escrito: "E ele chegou a um lugar", o que significa que ele estabeleceu a oração da noite. Também está escrito sobre Jacó: "E eis que havia um poço no campo e três rebanhos de ovelhas deitados ao lado dele". O Zohar interpreta (VaYetze, item 92): "'E ele olhou, e eis um poço no campo'. Ele viu o poço de cima, que é a Nukva, um em frente ao outro, o que significa que o poço de baixo estava direcionado para o lado oposto ao poço de cima".

 

Devemos interpretar que, quando Jacó estabeleceu o poço de baixo, sua intenção era seu próprio poço, que é o campo, o que significa que ele o estabeleceu para ser como o de cima. Ou seja, como acima, Malchut de Kedushá é um Massach [tela], significando que sobre o desejo de receber para si mesmo, há um Massach que eleva Ohr Chozer [Luz Refletida], significando que tudo o que ela quer receber é porque ela quer doar. Da mesma forma, ele se estabeleceu de modo que todas as suas ações fossem para doar.

 

Portanto, quando Jacó veio a Isaque, uma vez que Jacó é a linha do meio, onde toda a integridade aparece, é por isso que está escrito que Isaque disse: "E ele disse: 'Eis que o cheiro de meu filho é como o cheiro de um campo que o Senhor abençoou'". Ou seja, quando o reino dos céus, chamado de "campo", recebeu a correção da linha do meio, ele é chamado de "um campo que o Senhor abençoou", o que significa que aqui aparecem o deleite e o prazer que o Criador preparou para as criaturas. Essa é a diferença entre "um homem do campo", " vaguear no campo" e "como o aroma de um campo".

Posts recentes

Ver tudo

Carta nº 6

Rabash. Carta nº 6 15 de abril de 1955, Londres Para os alunos: Recebi a carta de ... e é bom que ele interprete seus detalhes o máximo que puder. Quanto ao restante dos assuntos que ele me informou,

Plenitude na Vida

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash) Artigos/ Registros Plenitude na Vida Artigo 809 "Uma pessoa não morre com metade do seu desejo realizado." "Quem tem cem deseja duzentos." A questão é: Como é a es

Carta nº 1

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash)/Cartas Carta nº 1 Terça-feira, Porção Tetzave: "E você falará a todos os sábios de coração, a quem eu enchi com o espírito de sabedoria", etc. Ao Meu Honorável Pai

Comments


bottom of page