top of page

Rabash Carta nº 10

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash)/CartasRabash.

Carta nº 10

24 de agosto de 1955

 

Aos amigos, que tenham vida longa,

Estou muito surpreso por não ter recebido uma palavra de ninguém. Pensei que receberia o trabalho de cada um, o que significa que cada um elaboraria seus feitos, como em: "Pois verei Teus céus, as obras de Teus dedos". "Teus céus" significa obras para o Criador. Eles são reconhecidos pelas "obras de Seus dedos", ou seja, cada um tentando trabalhar para levantar a Shechiná (Divindade) do pó, para manter: "Cada um apontou com o dedo e disse: 'Eis que este é o nosso Deus'", etc.

Devemos saber que o trabalho está correto, como está escrito: "Seja íntegro com o Senhor seu Deus". Ou seja, a pessoa precisa andar em integridade, o que significa acreditar que o Criador é completo e não deficiente. Isso só pode ser sentido quando "O lado direito do Senhor é exaltado", ou seja, na grandeza do Criador - que devemos sempre imaginar a grandeza do Criador.

Quanto ao homem, em tudo o que faz, ele está servindo ao rei. E cada Mitzvá (mandamento) que a pessoa cumpre dá satisfação ao Criador. Quando alguém reza, o Criador ouve as orações e os louvores que a pessoa canta e louva o Criador.

Também devemos imaginar que há várias pessoas no mundo às quais o Criador não deu a oportunidade de servi-Lo e agradá-Lo, mas as afastou. E mesmo quando realizam alguma Mitzvá, não se lembram ou acreditam que o Criador vê e ouve, aceita e considera os trabalhos dos inferiores. O Criador os afasta por não lhes dar a oportunidade de pensar, fazer ou acreditar.

Para aqueles que o Criador deseja trazer para perto, Ele dá bons pensamentos, o que significa lembrar, ao realizar a Mitzvá, que ele está fazendo isso para o Criador, ou simplesmente que, ao abençoar: "Que tudo foi feito por Sua palavra", ele está falando por hábito e, durante o ato, não presta atenção ao fato de que está falando com o Criador. Ou ainda mais, não lhe é dada a oportunidade nem mesmo de abençoar por hábito.

E se alguém imaginar que o Criador lhe deu a oportunidade de fazer uma Mitzvá a fim de trazer contentamento ao seu criador, mesmo que seja uma vez por mês, e servir ao rei, mesmo que seja uma vez por mês, ele deve ficar satisfeito. Abayeh disse: "Portanto, isso deve ser dito de pé". "De pé" significa o nível completo. Ou seja, uma pessoa precisa falar com retidão e ficar feliz se tiver a oportunidade de servir ao rei, enquanto outros não têm. Naquele momento, o Criador está completo, o que significa que devemos dizer que o nome do Criador, ou seja, o nome "Bom e Faz o Bem", aparece e brilha para uma pessoa em total integridade, bem como que a pessoa está completa, o que significa que ela tem outro mérito em Torá e em Mitzvot (mandamentos) e boas ações.

Isso ocorre porque, por mais que a pessoa faça para servir ao rei, ela ainda não o merece. Deve-se (saber) que há muitas pessoas no mundo a quem o Criador não permitiu que fizessem nada em Seu nome.

No entanto, também devemos andar na linha esquerda, ou seja, criticar se isso é verdade, se a fé da pessoa é íntegra, se as coisas que ela faz são em total pureza e santidade, sem quaisquer segundas intenções, se o nome "Bom e Faz o Bem" é engolido pelos órgãos etc.

Nesse momento, a linha esquerda disputa com a linha direita, porque vê que, se calcula com sinceridade, tudo é contrário. Então, há uma disputa entre as linhas - entre a direita e a esquerda. E se alguém não trabalha na linha do meio, a esquerda revoga a direita e ele se torna alguém cujo "conhecimento é maior do que as ações", o que significa que ele critica mais do que as boas ações que pratica.

Consequentemente, ele cai no Inferno, que se estende a partir da linha esquerda. E há o Inferno do fogo da luxúria, ou da neve que é resfriada pelo trabalho e ele deseja apenas estar em um estado de descanso, ociosidade, sono etc. Isso requer superação e oração pela misericórdia do Criador do alto, para que ele possa estender a linha do meio, ou seja, subjugar a linha esquerda sob a direita. Ou seja, ele diz que, embora a crítica determine o contrário, ele vai acima da razão.

Com isso, a linha do meio melhora a linha direita, pois antes de estender a linha esquerda e caminhar pela direita, ele achava que a razão também exigia o trabalho na obra do Criador. Mas agora que ele estendeu a linha esquerda, quando ele se inclina para a direita, é evidente que ele escolheu a direita, embora tenha outra visão, a da esquerda.

É por isso que, ao caminharmos, devemos nos lembrar de estender o trabalho da esquerda - para manter a intenção de mostrar que, embora haja esquerda, ele escolhe a direita. É por isso que devemos dividir os horários de trabalho e não misturar um com o outro.

Eu escrevi o Achoraim (lado posterior) das três linhas e, quando somos recompensados, estendemos as três linhas em Panim (lado anterior).

Que você tenha uma boa escrita e assinatura,

De mim, seu amigo, Baruch Shalom

Filho de meu pai, Yehuda HaLevi Ashlag.

 

Posts recentes

Ver tudo

CartasCarta Nº 59

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash) CartasCarta Nº 59 9 de junho, 1962, Shavuot, Antuérpia Para o meu amigo … Com relação à sua pergunta sobre as palavras dos nossos sábios: “Um filho teimoso e rebel

Carta nº 22

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash)/Cartas Carta nº 22 Manchester, 7 de julho de 1956 Para meu amigo, Li sua carta na qual você anuncia que tem momentos sombrios e momentos brilhantes. Saiba, meu ami

Comments


bottom of page