top of page

Rabash Carta nº 4

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash)/CartasRabash. Carta nº 4

10 de fevereiro de 1955

 

Para meu amigo... Olá e tudo de bom.

Você me surpreende... pois já faz algum tempo que não recebo notícias suas sobre sua saúde e força.

Deve ser por carência de confiança e força e, a meu ver, isso se deve aos pensamentos e visões externas que você absorve por meio dos canais anexos encontrados ao chegar a um ambiente que discorda de nosso espírito e caminho. E onde os pensamentos alienígenas estavam na "Nukva das grandes profundezas" para você, o que significa que os pensamentos não tinham poder ou controle, pois você já os cancelou e os lançou sob seus pés, pois já pode pisoteá-los e caminhar sobre eles, o que significa que ainda há pensamentos alienígenas em seus corpos, mas eles não estão mais no controle.

Esse é o significado do Shabat (sábado) - embora as Klipot estejam presentes no mundo e a correção não tenha sido concluída, quando "a escuridão brilha como luz", mas o lugar dos pensamentos alienígenas é na Nukva das grandes profundezas. Ou seja, eles não têm controle algum sobre o homem. Entretanto, quando partimos da autoridade de um para a autoridade de muitos, ou seja, quando levamos os pensamentos e os trabalhos para a autoridade de muitos, para que muitos os vejam, e se também inserirmos os pensamentos das pessoas da autoridade de muitos em sua autoridade de um, isso já é chamado de "profanação do Shabat". Isso significa que damos espaço para o despertar daquelas Klipot cujo poder já cessou - que já estavam na Nukva das grandes profundezas - para que surjam em seus pensamentos.

Nesse momento, você não pensará que esses pensamentos alienígenas são esperteza e erudição de pessoas de fora, que são um desdobramento de sua maldade, e que agora você está apegado à verdade, ou seja, possui o verdadeiro escrutínio, e agora as conclusões que está tirando são por meio da contemplação verdadeira e cem por cento limpa dos pensamentos alienígenas. E que, até agora, tudo o que você fez foi apenas devido ao exame insuficiente que alguém que deseja trilhar o caminho da verdade deve fazer.

E, a partir de agora, você precisa trilhar o caminho que é habitual para as pessoas que são levadas pelas correntes do mundo, e os resultados são bastante previsíveis. E embora eu não tenha a tendência de falar, muito menos escrever, sobre esses assuntos, mudarei meu caminho, embora saiba que será totalmente inútil, mas apenas com o propósito de "salvar minha alma".

Fizemos uma festa na véspera de Ano Novo das Árvores - no mês de Shevat, quando o mundo é condenado pelo chicote ou pela misericórdia. O mês de Shevat é o quinto dos meses de inverno. Por meio das maldições e juras que ouvimos sobre a Torá e as Mitzvot (mandamentos), quando chegamos ao quinto discernimento, que é a Sefirá, Hod, devemos nos corrigir e ser sentenciados favoravelmente para que a dor se transforme em esplendor. Nesse momento, o chicote se torna misericórdia, estendendo-se por todas as cinco Bechinot, de Chéssed a Hod, como está escrito: "Pois eu disse: 'Que um mundo de misericórdia seja construído'". Pois a luz de Chassadim é chamada de "acima da razão", e somente lá está a bênção.

Por essa razão, no dia 15 de Shevat, abençoamos os frutos, como disse Baal HaSulam, que toda a diferença entre Kedushá (santidade) e Klipá está nos frutos: o trabalho dá frutos, mas "outro deus é infértil e não dá frutos". Além disso, ser recompensado com frutos é apenas por meio da qualidade de Chéssed, e então a pessoa é recompensada com uma árvore frutífera. "Pois o homem é a árvore do campo", ou seja, somente por meio do caminho que recebemos de Baal HaSulam é que somos recompensados com frutos chamados de "frutíferos e multiplicadores". Por meio dos frutos, estamos sempre em um estado de juventude, ou seja, como um menino jovem, como em: "Deleite-se, jovem, em sua infância".

Esse é o significado de "Aqueles cuja esperança está no Senhor ganharão novas forças", pois somente isso é chamado de "ajuda do alto". Ou seja, quando alguém chega a um estado em que há argumentos para ambas as direções, não consegue distinguir a verdade. Nesse momento, precisamos apenas da ajuda do alto. Isso é chamado de "aqueles cuja esperança está no Senhor", pois eles precisam da misericórdia do céu.

Que o Criador nos conceda Sua salvação na corporeidade e na espiritualidade,

Seu amigo,

Baruch Shalom HaLevi Ashlag.

Posts recentes

Ver tudo

CartasCarta Nº 59

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash) CartasCarta Nº 59 9 de junho, 1962, Shavuot, Antuérpia Para o meu amigo … Com relação à sua pergunta sobre as palavras dos nossos sábios: “Um filho teimoso e rebel

Carta nº 22

Baruch Shalom HaLevi Ashlag (Rabash)/Cartas Carta nº 22 Manchester, 7 de julho de 1956 Para meu amigo, Li sua carta na qual você anuncia que tem momentos sombrios e momentos brilhantes. Saiba, meu ami

Comments


bottom of page